Connect with us

Paulo Casaca

O TESTAMENTO DE MARIO DRAGHI

Paulo Casaca

Publicado

|

PAULO CASACA O TESTAMENTO DE MARIO DRAGHI

 

Creio que na última década não houve ninguém cuja acção fosse mais decisiva para a preservação da União Europeia do que Mario Draghi, o cessante presidente do Banco Central Europeu (BCE) e creio que a Europa perdeu não fazendo dele o novo presidente da Comissão Europeia.

Mas mais do que o que fez até agora, Draghi conseguiu ainda preservar a sua herança para os próximos anos, fazendo com que na reunião mensal de 12 de Setembro do BCE este decidisse baixar as taxas de juro de referência – que se situam agora para depósitos institucionais em -0.5% – e reiniciar o seu programa de compra de títulos de dívida ao ritmo de 20.000 milhões de euros mensais, sem limite de tempo.

É a última grande decisão do BCE sob a sua presidência. Com ela o que tinha sido visto como conjunto de medidas não convencionais usadas como último recurso para enfrentar uma situação anormal tornou-se na nova norma de funcionamento das instituições monetárias, tendo como fundamento a fraca progressão do índice dos preços ao consumidor.

Trata-se de uma forma de estimular a economia, mas trata-se também de alterar duradouramente a relação entre os países credores e devedores da Europa, permitindo a Portugal, que à sombra da moeda única se tornou um dos mais endividados países do mundo, respirar durante algum tempo.

Não têm faltado os críticos a esta decisão que falam de uma japonização da economia europeia, pelo facto de o Japão ter sido o primeiro país do mundo a instituir medidas do tipo daquelas que agora foram aplicadas entre nós.

Aqui, creio essencial fazer dois reparos. O primeiro é o de que convém não confundir causas e consequências. Não foi a política monetária japonesa que fez a deflação, foi a deflação que tornou imperativa a actual política monetária japonesa.

O segundo é que, tendo em conta o avançado desenvolvimento económico do Japão e a sua realidade demográfica, a política monetária japonesa tem sido um sucesso, que a Europa deveria ter em conta e não desprezar.

Em Portugal, interessa agora aproveitar o tempo que temos pela frente para emendar os erros cometidos, selecionando criteriosamente a forma como o país deve utilizar os recursos de que dispõe para reforçar a sua posição económica e social.

Bruxelas, 2019-09-16
Paulo Casaca

Paulo Casaca

A GUERRA DOS CIENTISTAS

Paulo Casaca

Publicado

|

PAULO CASACA A GUERRA DOS CIENTISTAS

 

Depois de um manifesto de cientistas a exigir o controlo do crescimento demográfico, o fim do ‘consumo excessivo’ decorrente de um estilo de vida demasiado rico, e um drástico corte nas emissões de gases com efeito de estufa por causa da ‘emergência climática’, tivemos agora o contramanifesto dos cientistas denunciando os erros científicos dos primeiros e declarando que não há ‘emergência climática’.

No centro da controvérsia está a emissão de dióxido de carbono decorrente da utilização de combustíveis fósseis biogénicos como fonte de energia, que a crer nas estimativas oficiais será a principal razão para uma alteração da composição da atmosfera com grandes impactos climáticos.

No discurso de uns e outros é no entanto deveras peculiar que não haja praticamente nenhuma referência ao facto de as energias renováveis serem generalizadamente mais baratas – na maior parte do mundo, mesmo muito mais baratas – do que a energia fornecida pelos sistemas de energia fóssil.

É verdade que há ainda importantes questões a resolver, nomeadamente no domínio da armazenagem da energia, em que a solução mais vulgar depende do lítio e outros metais raros, e outras soluções como o hidrogénio ou as baterias de sódio ainda não se conseguiram afirmar técnica ou comercialmente. Não obstante, parte importante dos obstáculos que enfrentamos situa-se nas regulamentações públicas e nos sistemas e interesses instalados.

Mas não seria mais inteligente conjugar esforços na resolução destes problemas para podermos disfrutar de sistemas energéticos mais baratos, menos poluentes, que nos dão mais autonomia em vez de exigir ou levantar o espectro da necessidade de termos menos riqueza ou menos pessoas?

Em vez de nos transformarmos todos em peritos meteorológicos, não seria mais importante que nos preocupássemos com a preservação do nosso ambiente, com os insectos e as aves que desaparecem dos nossos céus, a devastação dos mares, a invasão do plástico a poluição dos solos, águas e ar?

A ciência é importante, mas ela depende da validação das suas proposições e não deve tornar-se num instrumento de arremesso ideológico de vocação totalitária.

É natural que nem todos tenhamos a mesma sensibilidade, a mesma escala de valores, o mesmo conhecimento ou os mesmos interesses, mas é importante que aprendamos a conviver com a diferença e fazer valer os nossos pontos de vista pelo argumento, pelo exemplo, pela realidade.

A bem da preservação e regeneração do ambiente do nosso planeta.

Bruxelas, 2019-11-13
Paulo Casaca

Continuar a Ler

Paulo Casaca

A SEDUÇÃO EM REDE

Paulo Casaca

Publicado

|

PAULO CASACA A SEDUÇÃO EM REDE

 

Uma das minhas mais antigas memórias de infância é a de ouvir o noticiário radiofónico da ‘Emissora Nacional’ que começava com o apontamento ‘Rádio Moscovo não fala verdade’, apontamento que teve em mim o único efeito de tentar desesperadamente escutar a tal Rádio Moscovo assim demonizada mas por isso mesmo alvo Da minha incontida curiosidade.

Outros tempos, outras tecnologias, mas, a crer no que leio na imprensa, as mesmas obsessões por parte dos participantes num encontro anual denominado de ‘web summit’ a decorrer em Lisboa que descobriram num dissidente americano exilado em Moscovo o último grito da comunicação.

E assim está o nosso mundo de comunicação instantânea e sem fronteiras cansado do que tem e fantasiando sobre o que está para além do seu entendimento. Que Moscovo seja, na esteia de Teerão, uma das principais capitais mundiais da desinformação; que utiliza o espaço comunicacional para promover o enredo, o engano ou a efabulação, são detalhes que pouco interessam à nossa opinião pública.

A última vez que um presidente norte-americano resolveu utilizar a mão pesada para pôr na ordem os serviços secretos do país, saneando centenas de operacionais envolvidos em obscuras operações de desestabilização na América Latina – e já lá vão mais de quatro décadas – foi alvo de uma operação de demolição que o levou à humilhação eleitoral.

De lá para cá, as coisas não parecem ter melhorado, com um dos inquilinos da Casa Branca alegadamente a dispensar a sua vigilância e o presente a ser alvo de um processo de destituição por denúncia vinda desses mesmos serviços que também ele tentou domesticar, embora sem saneamentos em massa.

Dar a um contratado externo aos serviços secretos acesso a informação vital é sintoma de amadorismo em organismos que cada vez mais parecem apenas eficazes a pôr em causa aqueles que eles supostamente protegem mas que são incapazes de informar sobre os planos nucleares do Irão ou da Coreia do Norte, entender a revolta árabe contra o imperialismo teocrático ou estabelecer a estratégia para enfrentar o Grande Irmão.

Para além das desventuras das relações do poder político com os serviços secretos que este fascínio pela informação vinda de Moscovo simboliza, creio que estamos mais uma vez perante um sintoma do niilismo que nos submerge e a que tenho dado alguma atenção.

Do cansaço com o Natal ou com as normas de vestuário passámos agora à fatiga com a verdade, a ciência e a descoberta; uma mais perigosa fase de fascínio. Receio mesmo que estejamos perante uma lógica semelhante à de um filme de terror que tanto mais nos seduz quanto mais nos aterroriza.

Resta-nos esperar que se trate apenas de um mau sonho e que algum bom senso volte com o despertar.

Bruxelas, 2019-11-06
Paulo Casaca

Continuar a Ler

Paulo Casaca

E DEPOIS DO CALIFA IBRAIM?

Paulo Casaca

Publicado

|

PAULO CASACA E DEPOIS DO CALIFA IBRAIM?

 

A edição eletrónica do ‘Washington Post’ classificou o dirigente jihadista eliminado por uma audaciosa operação das forças especiais norte-americanas, em título do seu obituário, como teólogo austero, o que é pouco mais ou menos o mesmo do que descrever Hitler como ‘pintor e ensaísta austríaco’ por alturas da sua morte.

E se um poderoso movimento da opinião pública obrigou o jornal norte-americano a recuar, apelidando agora o assassino em massa como ‘líder extremista’ – o que continua a ser obviamente um grosseiro e ofensivo eufemismo para as muitas dezenas de milhares das suas vítimas – a realidade é que este epígono da imprensa dita de referência nos permite perceber a dimensão da psicopatia do apaziguamento com que a sociedade ocidental trata o Jihadismo.

Desde a sua autoproclamação como Califa que o líder da organização jihadista assassinou milhares de pessoas, reduziu dezenas de milhares de crianças e mulheres à escravatura, impôs um código social e político fanáticos e desencadeou atentados terroristas pelo mundo inteiro. Tal como aconteceu com Bin Laden, não há razões para crer que a eliminação do líder desta organização se traduza pelo fim das actividades deste grupo, dos outros que existem no mundo ou, pior que isso, da utilização dessa doutrina por Estados com o objectivo de manipulação política.

A ideologia jihadista está claramente a ser posta em causa em todo o mundo muçulmano e afirma-se cada vez mais como mero instrumento de lógicas imperiais de Estados como o Irão e a Turquia ou ainda de outros que creem que ela pode resolver o seu problema de identidade, como é o caso do Paquistão.

Paradoxalmente, é no Ocidente que o Jihadismo se vê reverenciado, os seus crimes secundarizados, as potências que o manipulam desculpadas. E é por isso que o Jihadismo continua a ser uma das maiores ameaças enfrentadas por todos os que prezam valores humanos e é por isso fundamental continuar a combatê-lo, começando por enfrentar os meios mediático-político-financeiros que fazem a sua apologia entre nós.

Bruxelas, 2019-10-29
Paulo Casaca

Continuar a Ler

+ Populares