Connect with us

Nuno Melo

ESTUDO SOBRE MOTIVOS DA ABSTENÇÃO

Nuno Melo

Publicado

|

NUNO MELO ALVES ESTUDO SOBRE MOTIVOS DA ABSTENÇÃO

 

Foi realizado um estudo a pedido da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores (ALRAA), com o propósito de tentar encontrar as causas da elevada abstenção na Região, que é a mais alta do País. Apesar do nível da abstenção ser diferente conforme a eleição, nos Açores os resultados são sistematicamente mais altos que no resto do País. O estudo foi feito pela Universidade dos Açores e revela algumas coisas que devem ser aprofundadas para serem melhor compreendidas, sob pena de se agravar a situação em vez de a solucionar.

Os resultados do estudo revelam que, grosso modo, as pessoas culpam os governantes, os partidos políticos e os deputados pela abstenção. Esta situação é curiosa e perigosa. Curiosa, porque a maneira de mudar os políticos e os partidos é mudando o sentido de voto, portanto esta desconfiança pode ser causada por desconhecimento dos processos democráticos ou por algo mais profundo, como a aceitação dos clichés antipolíticos como sendo verdades universais e absolutas. Perigosa porque quando a única arma que os eleitores têm é abandonada, a governação corre livre e desinibida, o que também é motivo de preocupação.

É importantíssimo aprofundar e perceber as razões de os eleitores culparam os políticos, os partidos e os deputados pela abstenção, ou seja, de culparem outros pelo seu desinteresse. É que podem existir inúmeras razões. Desde logo, incompreensão em relação sistema eleitoral e aos arranjos que os sistemas parlamentar ou semi-presidencial permitem: em Portugal e nos Açores elegem-se órgãos legislativos, não executivos. Nunca, desde o 25 de Abril, houve um voto num primeiro-ministro ou num presidente de governo regional: só se votou em deputados à Assembleia da República e à Assembleia dos Açores. Mas a confusão prejudica, pois interfere com as expectativas e com as apreciações de desempenho.

Por outro lado, a falta de conhecimento (devido a algum excesso de complexidade orgânica na organização política) também pode levar a que as expectativas dos eleitores sejam defraudadas. A falta de linearidade entre o eleito e o eleitor desresponsabiliza ambos, mas permite ao primeiro mais rédea solta e provoca no segundo a sensação de alguma de impotência. Depois, há que perceber se as expectativas dos eleitores são legítimas ou inflacionadas, pelo seu imaginário ou pelas promessas ventiladas pelos políticos e pelos partidos, que assim contribuem para a sua própria descredibilização.

Em democracia, o processo democrático é tão importante quanto a liberdade de voto. É precisamente a consistência processual que permite que o voto seja livre e eficaz. As democracias portuguesa e açoriana, sendo processualmente sólidas, estruturalmente afastam os eleitores dos governantes, pela sua natureza parlamentar. O sistema parlamentar não é o único democrático e se calhar há que ter abertura suficiente para, em sede de revisão constitucional, alterar o sistema político português e o açoriano.

Por fim, há uma coisa que ainda é preciso perceber nos eleitores: é preciso saber se sabem perder. Ou seja, saber se sabem respeitar a decisão maioritária de outros. Na democracia portuguesa temos péssimos exemplos de mau perder, sobretudo na extrema-esquerda, que, aceita mal ser contrariada pela maioria que não lhe confere o voto. A questão é de saber se, além dos políticos sofrerem de partidite aguda, se também os eleitores não sofrem do mesmo mal. Dizer que a democracia não funciona por não se estar agradado ou de acordo com as decisões legitimamente tomadas também não é democrático. E é importante que se perceba este aspeto na opinião dos eleitores: se desconfiam dos governantes, dos partidos e dos deputados por não concordarem com as decisões por elas tomadas. É que a democracia também não se pode transformar num arraial de populismo, em que vale de tudo (mesmo falir o País) só para sacar o voto.

Este primeiro estudo deu umas boas pistas, sendo uma iniciativa louvável, mas ainda se está longe de se poder tomar decisões.

21/05/2019
Nuno Melo Alves

Nuno Melo

AS MÁS PROPOSTAS DE VASCO CORDEIRO PARA COMBATER A ABSTENÇÃO

Nuno Melo

Publicado

|

Por

NUNO MELO ALVES ABSTENÇÃO E CASO PRÁTICO DAS EUROPEIAS...

 

Ontem, no decorrer das comemorações do Dia da Região Autónoma dos Açores, e na esteira da elevada abstenção nas eleições europeias, o Presidente do Governo Regional decidiu avançar com propostas para reduzir a abstenção. Não gostei de nenhuma delas, por diversas razões. Desde logo, porque parecem ignorar as principais conclusões do estudo recente sobre a abstenção, que demonstram que 90% dos eleitores culpam os políticos, ao pôr-se o ónus da abstenção nos eleitores que não votam e não nos políticos.

Vasco Cordeiro diz que não propõe castigos para quem não vota, mas benefícios para quem tiver um “histórico de participação eleitoral”. A valorização dos cidadãos com bom histórico eleitoral “pode acontecer nas mais variadas componentes de intervenção do Estado ou dos serviços que o mesmo presta, desde a área fiscal à área social”, propôs o Presidente do Governo Regional. Esquece-se, porém, que quando se discrimina positivamente alguém está-se a discriminar negativamente os outros, que não cumprem este critério. Por isso, está-se efetivamente e na prática, a punir a abstenção, que é um direito tão legítimo quanto o voto.

A terceira razão contra esta proposta, é que fica a centímetros de indicar o sentido de voto: primeiro, vem o indicar que deve votar; depois a fiscalização do cumprimento dessa “obrigação”. Falta pouco para dar a indicação de voto também. Até parece que já não existem cunhas partidárias demasiadas, para que o Estado dê mais benesses a alguns, mesmo que sejam para premiar “a relevância de um histórico de participação cívica na vida democrática pelo cumprimento do dever de votar”, como disse Vasco Cordeiro. Votar não é um dever, é um direito. A quarta razão pela qual eu desconfio desta proposta é que, ao contrário do que disse durante a sua epifania o Presidente Vasco Cordeiro, pode existir um histórico de “participação cívica” sem ser na vida política, e pode haver um histórico de participação na vida democrática que não se mede apenas ou tão pouco pela votação. Um membro da junta da sua freguesia que vota nulo ou branco em quase todas as eleições, tem menos participação cívica que alguém que, como um cordeirinho, vai por a cruz sempre no seu partido, mesmo sem conhecer os candidatos?

Estas questões são muito mais complexas do que apenas obrigar a votar, por castigos ou incentivos. Como também são mais complexas do que ir pelo discurso fácil e corrosivo de se culpar os políticos por tudo e por nada. Compete, porém, aos políticos, que têm ambas as mãos no poder (e, infelizmente, às vezes o poder no bolso) perceber onde estão os problemas ou erros de perceção dos eleitores, que levam a que 90% culpem os políticos pela abstenção. Assim, compete aos políticos perceber o que vai mal no sistema eleitoral, no afastamento das pessoas e encontrar as soluções que invertam isso. É um mau serviço à democracia fazer o oposto: fingir que o problema está no Povo – que é o Soberano – para esconder que o Povo não se revê no sistema político ou nos políticos que o representam.

Outra péssima proposta feita por Vasco Cordeiro é a de colocar todas as propostas de decreto regional ou regulamentar regional a audição pública generalizada. Esta proposta é má por duas razões. Primeiro, um governo legitimado para governar, não tem que ser micro-gerido pelos seus eleitores: ou bem que se sente politicamente legitimado pela votação ou então não deveria lá estar. Querer legitimar as propostas, de um governo no qual o Povo não se revê, com a consulta pública não faz sentido, mesmo sendo uma obrigação legal. Segundo, a obrigação legal das propostas serem precedidas de consulta pública ou pareceres de interessados é descrebilizadora dos votos concretizados, na medida em que pode suceder que a consulta pública aponte um rumo diferente daquele que o candidato apresentou em campanha e que levou a que fosse eleito.

Infelizmente, parece que os políticos nada aprenderam com os resultados do estudo sobre a abstenção: persistem no mesmo erro de culpar os cidadãos eleitores pela abstenção, fingindo que a culpa não está noutro lado.

11/06/2019
Nuno Melo Alves

Continuar a Ler

Nuno Melo

ABSTENÇÃO E CASO PRÁTICO DAS EUROPEIAS (ou a Europa dos eurocéticos)

Nuno Melo

Publicado

|

Por

NUNO MELO ALVES ABSTENÇÃO E CASO PRÁTICO DAS EUROPEIAS...

 

Na esteira das duas anteriores notas, à volta das conclusões do estudo sobre a abstenção, há um caso prático para analisar. A abstenção nas europeias foi altíssima, como habitual. Já o estudo indicava que a Europa era instituição com menor confiabilidade, reforçando a tendência para a abstenção. No caso da Europa, e das eleições ao Parlamento Europeu, até acho que a abstenção é compreensível, devido à complexidade, falta de democraticidade e distância, mas eu sou assumidamente cético com esta Europa.

A U.E. é uma instituição pouco transparente e pouco democrática. O Parlamento Europeu, por loas que lhe cantem, tem poucos poderes e representa os países de forma desigual. Há quem se questione se as pessoas soubessem quanto dinheiro entra da Europa e quanto a Europa beneficia (ou prejudica, porque também acontece) o dia-a-dia, sentir-se-iam motivadas a votar. Eu discordo. Desde logo, porque para quem está distraído, a Europa é lá longe e não sabe o impacto que tem, não fala a língua dos candidatos, nem dos comissionários e não percebe muito bem a coisa, e por isso não vota.

Quanto aos restantes, se analisarem bem a coisa, não têm muitas razões para votar. É a Comissão Europeia que determina a maior parte das diretivas europeias. A Comissão não tem qualquer democraticidade: nem sequer os países estão lá todos representados. Quanto ao Eurogrupo, que junta os países do Euro (que não são todos os da U.E.), é um órgão informal, mas na prática não é. O Conselho Europeu é o órgão mais democrático, pois é a reunião de governos de cada país, mas mesmo assim, não acresce democraticidade à Comissão, na medida em que este órgão foi concebido para gerir a U.E. com autonomia em relação aos governos dos países. Quanto ao Parlamento Europeu, tem poderes muito limitados e não consegue mudar as políticas europeias. Mas mesmo que conseguisse, a questão de como votar nas eleições ao Parlamento Europeu é sempre dúbia.

Vou exemplificar: um produtor de leite da Terceira recebe subsídios europeus. A fábrica transformadora de leite, na Terceira, é praticamente monopolista e os produtores de leite queixam-se que paga muito mal o leite, mas também recebe subsídios da Europa. O lavrador quer receber mais dinheiro e pode achar que a europa deve castigar as empresas que pagam mal o leite. Mediante isto, como deve o lavrador da votar nas eleições ao Parlamento Europeu? Em que Partido? Em que família política Europeia? O Parlamento Europeu tem poderes objetivos para resolver este assunto? Como podem os 21 deputados portugueses, mesmo se estivessem todos de acordo, contrariar os restantes, de outros países? Nas eleições nacionais ainda há alguma transparência e previsibilidade de resultados mediante a opção do voto, apesar de quem ganha não governar e de quem perder poder juntar-se a outros derrotados para governar, o que sendo legítimo e constitucional não é totalmente transparente. Mas é muito mais transparente e previsível do que o que se passa na Europa. E é em português. Eu, se fosse o lavrador, não sei se não faria o que a maioria dos açorianos e portugueses fazem e fizeram: não iria votar nas europeias.

Os órgãos europeus são demasiados distantes, confusos e, naquilo que diz respeito à abstenção, intocáveis pelo voto dos europeus, que acabam por usar as eleições europeias nacionalizando a discussão política e o sentido do voto, e para manifestarem o seu desagrado através de votos de protesto em partidos de extrema-esquerda ou de extrema-direita.

Não se resolve o problema da abstenção com artifícios que enganam ou obriguam o eleitor a votar para o Parlamento Europeu. A primeira coisa que se tem que fazer é responder à pergunta: votar para quê? É o Parlamento Europeu que define as regras do POSEI? Se sim, então quais são as que cada partido propõe? E se todos os candidatos portugueses propuseram as mesmas, de que serve votar se Portugal só tem 21 deputados em 751? O equilíbrio, ou melhor, a paridade entre os países não é uma questão menor, sendo talvez a mais importante.

A meu ver, não só no caso das eleições ao Parlamento Europeu, mas especialmente neste caso, é a falta de democraticidade das instituições e a falta de eficácia do sentido de voto que afastam os eleitores. Só resolvendo estes aspetos se resolve a abstenção.

04/06/2019
Nuno Melo Alves

Continuar a Ler

Nuno Melo

ESTUDO SOBRE MOTIVOS DA ABSTENÇÃO PT 2

Nuno Melo

Publicado

|

Por

NUNO MELO ALVES ESTUDO SOBRE MOTIVOS DA ABSTENÇÃO PT 2

 

A semana passada abordei aqui os principais aspetos do estudo realizado a pedido da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores (ALRAA), com o propósito de tentar encontrar as causas da elevada abstenção na Região, que é a mais alta do País. Esse estudo não se debruçou apenas pelas causas da abstenção e revelou mais algumas coisas interessantes, que aparentam ser consistentes com as indicações em relação às causas da abstenção.

Para os açorianos, de acordo com o estudo, o político mais confiável é o presidente da república para quase 90% da população, sendo seguido pelo presidente do governo regional com 61,4%, depois o representante da república, com 57% e finalmente o primeiro-ministro, com 54% de aprovação. Estes valores podem estar associados aos atuais titulares dos cargos, por isso a sua leitura institucional deve ser temperada com essa nuance. Aliás, em termos de instituições, os açorianos confiam mais no governo regional (60,2%), seguindo-se o governo da república (59,3%) e no fim, a união europeia com 55,8%. Mesmo em relação às instituições, também é preciso ter alguma distância e perceber que a opinião expressa pode estar condicionada ao desempenho político e não à matriz política institucional subjacente.

Apesar destes avisos prévios, parece-me que os açorianos são essencialmente favoráveis a executivos fortes. O presidente da república não é um cargo executivo, mas o desempenho funcional do atual titular do cargo tem sido marcado por amplas intervenções, quase interferência, junto dos outros órgãos de poder, dando uma imagem de liderança omnipresente. Quanto ao presidente do governo regional, os açorianos só conheceram três em mais de quatro décadas de democracia. Por escolha própria, diga-se, embora se possa discutir a qualidade da liberdade de escolha face ao peso do orçamento regional na sociedade açoriana e à dependência da economia de decisões políticas. Isso indicia que os açorianos gostam de um líder que faça por eles, que lhes dê apoio, e estão dispostos a abdicar de poder a seu favor. Aliás, sendo a segunda figura política mais confiável para os açorianos, fica claro que vêm, no cargo de presidente do governo regional, uma função de quase pai de família. Recordo que quase 90% dos açorianos consideram serem os governantes os principais culpados da abstenção, mas no entanto, mais de 61% consideram o principal político executivo nos Açores como o segundo político que mais lhes merece confiança no país. Por outras palavras, o chefe é bom, está é mal assessorado e é prejudicado pelos “outros”, que provocam a abstenção.

Há aqui uma espécie de contrassenso, para o qual a explicação parece estar na vontade que os açorianos têm de ser guiados e liderados, em vez de fazerem por si. Talvez seja prematuro tirar mais algum tipo de conclusões sobre os dados que foram tornados públicos neste estudo e aqui referidos, também na semana passada. Contudo, fica claro que há um défice de responsabilidade democrática, talvez provocado pela apetência por lideranças executivas generosas e que não pedem contas. A responsabilidade democrática envolve não só pedir contas aos políticos (os açorianos não o fazem, acomodam-se na abstenção) mas também sentir-se, enquanto eleitor, como chefe dos políticos e responsável pelas políticas seguidas (que, mais uma vez, pela abstenção os açorianos não o fazem, e pela confiança que depositam no presidente da republica e no presidente do governo, parece que não querem fazer.)

Gostava de ver mais dados, pois o estudo versou sobre mais perguntas e mais questões, que podem até alterar a minha interpretação. Mas para já, e com base no que foi tornado público, parece-me que os açorianos têm pouca vontade de pegarem nos seus destinos e gostam mais de ser mandados, mesmo que mal mandados, sobretudo se o mandante aparentar ser acessível e simpático.

Isso é mau? Não necessariamente, mas nos moldes atuais, não é democracia.

28/05/2019
Nuno Melo Alves

Continuar a Ler

+ Populares