Connect with us

Pedro Gomes

TEMPO DOS LILASES

Pedro Gomes

Publicado

|

PEDRO GOMES TEMPO DOS LILASES

 

Estamos no tempo de vésperas, em Sexta-Feira Santa.

No mês da Páscoa, o tempo tem outro sentido.

A morte e ressurreição de Jesus Cristo tem o significado de compromisso com os homens de boa vontade, crentes ou não crentes.

Nas celebrações da Páscoa, que se repetem há dois mil anos, os rituais renovam-se a cada ano. Mudamos com o tempo e a nossa relação com a vida também se altera. Como ensinou Heraclito, nunca nos banhamos duas vezes na água do mesmo rio.

O tempo pascal é um tempo de passagem. Não apenas da passagem da morte à vida, mas da renovação da vida.
Renovação dos gestos, das atitudes, do desejo e da vontade.

A celebração da morte do Senhor, com a igreja em silêncio, os altares despidos, o despojamento, convida ao recolhimento interior.

Na sua vida, Jesus manteve sempre o contacto com o povo: crianças e idosos, ricos ou pobres, proscritos e poderosos, todos foram recebidos.

Na cruz em que morre, Jesus continua a atrair: o centurião, ladrões, verónicas.

Para todos, o filho de Deus tem uma palavra de acolhimento, de ternura, de compaixão. Ninguém é excluído. Ninguém fica para trás. Ninguém é insignificante.

Numa época de relativismo dos valores, do abandono de princípios em favor do utilitarismo, da desvalorização do homem e da sua condição humana, de descrença generalizada, a mensagem de Jesus mantém-se actual. Amar continua a ser o mandamento essencial. Pelo amor, tudo muda, tudo se transforma.

O amor incondicional, sem barreiras, sem constrangimentos. O amor que acolhe, aceita e perdoa. O amor que é sinónimo de misericórdia.

Nos versos de Juan Vicente Piqueras, “não fujas do que sentes. Não permitas/ que a vida se perca no vazio,/que a morte ao chegar encontre/já feito o seu trabalho”.

É quanto baste.
Uma Santa Páscoa.

Pedro Gomes
19ABR2019 – 105 FM

Pedro Gomes

CONTINUAMOS POBRES

Pedro Gomes

Publicado

|

PEDRO GOMES CONTINUAMOS POBRES

 

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou os resultados do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento dos portugueses (2018) que indicam que o risco de pobreza e de exclusão social é “bastante mais elevado nos Açores” (31,6%) e na Madeira (27,5%), quando comparado com a média nacional (17,4%).

Os números são devastadores e revelam o fracasso das políticas de crescimento económico e de desenvolvimento adoptadas nos Açores.

É impossível combater a pobreza, nas suas variadas dimensões e elevar o nível de vida das pessoas, sem opções coerentes de políticas públicas que conduzam ao crescimento económico e à geração de emprego e riqueza.

Os resultados publicados pelo Instituto Nacional de Estatística confirmam outros dados estatísticos que apontam no mesmo sentido: as políticas públicas de combate à pobreza e à exclusão social estão a falhar os seus objectivos.

A taxa de pobreza ou de exclusão social atinge cerca de 89.000 açorianos – um número que impressiona, pois está próximo da população empregada (111.000 pessoas).

Ao fim de vinte e três anos de governação socialista e de aplicação de políticas de esquerda, os Açores continuam a marcar passo na erradicação da pobreza, apesar do Governo Regional afirmar, repetida e tardiamente, que o combate à pobreza é uma prioridade, tendo aprovado uma Estratégia Regional de Combate à Pobreza e Exclusão Social (Resolução do Conselho do Governo nº 72/2018, de 20 de Junho) e um Plano de Acção 2018-2019 (Resolução do Conselho do Governo nº 95/2018, de 22 de Agosto), mais de vinte anos depois do PS ter assumido a responsabilidade da governação regional.

Os números da pobreza obrigam a uma reflexão séria sobre o que falhou nos Açores e em que medida é que os recursos públicos poderiam ter sido utilizados de outra forma.

A pobreza e a exclusão social não decorrem apenas da actuação dos poderes públicos, mas também em resultado da actividade do sector privado, que nos Açores é pequeno, frágil e dependente da actuação das entidades públicas.

As designadas políticas de “nova geração”, em tempos anunciadas pelo Presidente do Governo Regional, geraram apenas novos pobres, que mantêm os Açores no lugar cimeiro da estatística da pobreza.

Dramaticamente, estes pobres não são uma estatística: são pessoas bem reais, com nome e com rosto, que sofrem todos os dias para pagar o pão, a conta da água ou do telefone.

Pedro Gomes
17MAIO2019 – 105 FM

Continuar a Ler

Pedro Gomes

EUROPA – A POTÊNCIA HESITANTE

Pedro Gomes

Publicado

|

PEDRO GOMES EUROPA - A POTÊNCIA HESITANTE

 

Os líderes dos países da União Europeia reuniram-se, ontem, na Roménia, num Conselho Europeu com o brexit e as suas consequências como pano de fundo para a discussão sobre o futuro da Europa.

Desde a crise dos refugiados que a Europa está paralisada e prisioneira das consequências da saída do Reino Unido, num processo que parece não ter fim com as eleições europeias de 26 de Maio.

A leste, a União Europeia está ameaçada pelo expansionismo imperialista de Vladimir Putin, enquanto que do outro lado do Atlântico não encontra solidez política nas opções de Donald Trump, que colocam em causa a parceria transatlântica.

Sucessivos actos eleitorais – o último dos quais em Espanha – conferem protagonismo e liderança política aos discursos populistas, marcados pelo nacionalismo, pela xenofobia e pelo ataque à democracia.

As instituições europeias estão prisioneiras da burocracia e de decisões tecnocráticas com pendor neoliberal, que esquecem a essência do processo de construção europeia: uma união de Estados, de regiões e de povos, unidos por uma vontade comum, que rejeita a imposição de directórios e que acredita na coesão social e territorial com valor e princípio da acção política.

A crise da União Europeia não é apenas uma crise de instituições, mas o resultado da ausência de lideranças políticas fortes e visionárias.

O documento que a Comissão Europeia apresentou com a agenda estratégica da União Europeia para 2019-2024 reflecte bem o estado da Europa: as propostas da Comissão Europeia são mais de confirmação do que reflexão estratégica para transformar a União numa potência global, posição que foi perdendo ao longo dos últimos anos.

No novo mundo multipolar, em que emerge a rivalidade geopolítica entre os Estados Unidos da América e a China, a Europa parece não ter lugar, apesar da sua dimensão populacional, económica, estratégica e política.

O ressurgimento da Europa como potência global no quadro das relações internacionais é de natureza política e não económica, exigindo um novo pensamento para a Europa, de acordo com os seus interesses e com os valores que a fundaram.

Os eleitores também esperam por estas escolhas no próximo dia 26 de Maio.

Pedro Gomes
10MAIO2019 – 105 FM

Continuar a Ler

Pedro Gomes

ASAS DOBRADAS

Pedro Gomes

Publicado

|

PEDRO GOMES ASAS DOBRADAS

 

O grupo SATA fechou as contas de 2018 com um resultado líquido negativo de 53,3 milhões de euros, mais 12,3 milhões de euros do que em 2017.

Em apenas dois anos, as contas do grupo SATA pioraram quase quatro vezes mais, alcançando em 2018 o seu pior resultado de sempre.

O resultado negativo da SATA é brutal.

As explicações prestadas pelo conselho de administração da SATA são as mesmas que anteriores administrações deram para explicar os maus resultados obtidos, tivessem eles origem no aumento do preço dos combustíveis no mercado internacional ou na crise aérea provocada pelo vulcão da Islândia.

Não sei se perante estes números poderemos dizer que a situação financeira da SATA bateu no fundo, pois acabamos por descobrir que o ano seguinte é sempre pior que o anterior.

Após a divulgação destes números o Presidente do Governo Regional dos Açores afirmou que os “resultados não são sustentáveis”, sendo necessário colocar a SATA noutro “patamar de sustentabilidade financeira”.

Não posso estar mais de acordo com o Dr. Vasco Cordeiro, mas a pergunta que lhe faço é esta: qual é a estratégia do Governo Regional dos Açores para o grupo SATA, em especial para a Azores Airlines? Que medidas foram adoptadas para colocar a SATA numa rota de melhoria das suas contas?

Não basta anunciar um novo concurso para a privatização parcial da Azores Airlines para resolver os problemas financeiros da transportadora aérea, pois este governo até já se especializou em lançar concursos que ficam desertos.

O Governo Regional é o principal responsável pela situação financeira do grupo SATA, pois politizou a nomeação dos conselhos de administração, transformou a empresa num instrumento político, interferiu em decisões que deveriam ser apenas tomadas pelos seus órgãos de gestão, pagou tarde e a más horas as indemnizações compensatórias devidas e não permitiu que a SATA se preparasse para enfrentar a liberalização do espaço aéreo nas rotas com o continente.

A Azores Airlines é fundamental para assegurar a liberdade de circulação dos açorianos entre os Açores e o continente e garantir que não ficamos dependentes dos caprichos comerciais das companhias que hoje voam para a região.

A Azores Airlines deve manter-se na esfera pública e o Governo Regional tem de iniciar uma imediata negociação com a União Europeia para a concessão de um auxílio de Estado que permita o seu urgente saneamento financeiro.

Pedro Gomes
03MAIO2019 – 105 FM

Continuar a Ler

+ Populares