Connect with us

Regional

Governo dos Açores reforça a importância da inovação e da digitalização no setor energético

Publicado

|

A Diretora Regional da Energia salientou hoje, no Porto, a importância da participação dos Açores “em iniciativas que primam pelo debate sobre a inovação no setor enérgico” e numa troca de experiências, que se tem “revelado profícua” entre entidades nacionais e internacionais sobre as práticas e modelos emergentes na gestão de sistemas de energia baseados em fontes renováveis.

Andreia Carreiro, que falava à margem da conferência ‘Inovação, Energia e Economia Digital’, sublinhou a relevância do tema, uma vez que “as políticas públicas regionais potenciam a energia como um dos motores do desenvolvimento economicamente sustentável dos Açores, numa abordagem integrada, que alia as vantagens da Região, em termos geográficos e de recursos naturais, à inovação e à tecnologia”.

“A nossa realidade é muito interessante do ponto de vista energético, pois os Açores são constituídos por nove ilhas, cada uma com a sua especificidade, nomeadamente em termos dos recursos naturais por explorar, o que resulta numa oportunidade única ao nível da engenharia dos diversos sistemas isolados de energia, fazendo face aos desafios globais no setor, que se encontra num processo de evolução, que também é fruto da revolução industrial, a chamada indústria 4.0, e da transformação digital à qual temos vindo a assistir”, acrescentou Andreia Carreiro.

Segundo a Diretora Regional, esta transformação está centrada na descarbonização da energia, “o que significa uma progressiva redução da dependência dos combustíveis fósseis e uma crescente utilização de eletricidade obtida a partir de fontes limpas, numa rede integrada, onde os diferentes agentes comunicam de forma mais robusta e eficaz, graças à digitalização e inteligência artificial dos sistemas, acomodando a intermitência das fontes de energia renováveis”.

Andreia Carreiro referiu ainda que o aumento da integração de fontes renováveis e endógenas, “associada a redes geridas por sistemas e recorrendo a processos de armazenamento de energia, será cada vez mais uma realidade, permitindo, desta forma, a sustentação de uma eletrificação fiável e económica de diversos setores regionais, incluindo a mobilidade e a indústria, setores que são grandes consumidores de energia primária na Região e que, em conjunto, representaram mais de 35% em 2018”.

“Estamos a trabalhar no sentido de promover uma transição energética, que se concretiza essencialmente em três dimensões, nomeadamente na descarbonização, descentralização e digitalização”, frisou a Diretora Regional, acrescentando que, neste processo, “que tem que ser o mais inclusivo e transversal possível, a energia nos Açores será cada vez mais sustentável, segura e competitiva”.

Fonte: GACS

Desporto

Varzim contrata médio Minhoca que jogava no Santa Clara

Agência Lusa

Publicado

|

O médio português Minhoca, que jogava no Santa Clara, da I Liga, vai reforçar o Varzim, anunciou hoje o clube da II Liga portuguesa de futebol.

O jogador, de 31 anos, natural dos Açores, esteve nas últimas duas temporadas no emblema de S. Miguel, tendo em 2018/19 participado em apenas sete partidas, sem golos.

O médio conta também no seu currículo com passagens anteriores pelo Santa Clara, ma também pelo Paços de Ferreira, União Micaelense e Marítimo.

Os poveiros garantiram, ainda, a contratação do defesa central brasileiro Lucas Lima, de 24 anos, que jogava no campeonato luxemburguês, ao serviço do Titus Petangé, depois ter feito formação no Goiás, do Brasil, e ter experiências no futebol espanhol e italiano.

Com estas duas contratações o Varzim assegurou já 11 reforços para a nova época, depois de Luís Pedro (ex-Penafiel), Tiago Cerveira (ex-União de Leiria), Felipe Augusto (ex-Sporting de Espinho), Glen Matondo (ex-Bobigny, França), Serginho (ex-Santa Clara), Levi Lumeka (ex-Crystal Palace, Inglaterra), Alan Henrique (ex-Sriwijaya, Indonésia) e Willan Dias (ex-Arouca).

Continuar a Ler

Regional

Modelo de construção para prisões de Ponta Delgada e Montijo é hoje apresentado

Agência Lusa

Publicado

|

As prisões de Ponta Delgada e Montijo serão as primeiras a serem construídas segundo um modelo “mais humanizado e sustentável” concebido para os novos estabelecimentos prisionais e que hoje é apresentado no âmbito dos Encontros de Inovação na Justiça.

Segundo o Ministério da Justiça, o estudo de conceção para uma Prisão do Século XXI, desenvolvido pela Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais e pela Faculdade de Arquitetura de Lisboa resultou num “novo modelo mais humanizado, mais sustentável e de acordo com as normas de referência internacional” a aplicar aos novos estabelecimentos prisionais (EP).

Os dois projetos para a construção dos EP do Montijo e de Ponta Delgada, nos Açores, vão ser lançados em breve.

O EP de Ponta Delgada, com um investimento entre 45 e os 50 milhões de euros, terá uma área bruta de 22.600 metros quadrados e 41 mil metros quadrados de espaços exteriores, entre os quais cinco campos de jogos, para uma população a rondar os 500 reclusos.

O EP do Montijo, cujo investimento rondará os 65 e os 70 milhões de euros, terá capacidade para cerca de 800 reclusos, uma área bruta de construção de 30.500 metros quadrados e 64 mil metros quadrados de espaços exteriores, nomeadamente oito campos para a prática de desporto.

O novo conceito será apresentado no Laboratório Nacional de Engenharia Civil, em Lisboa.

Continuar a Ler

Regional

NASA vai usar vulcão dos Capelinhos para treinar exploração em Marte

Agência Lusa

Publicado

|

A NASA vai usar o vulcão dos Capelinhos, nos Açores, para treinar a exploração da paisagem de Marte e perceber como evoluiu nos últimos milhões de anos, disse à Lusa o ex-diretor do departamento científico da agência espacial norte-americana.

A expedição, que ainda não tem data marcada mas que acontecerá “em breve”, levará cientistas da NASA, do Reino Unido e de Portugal a estudar o vulcão da ilha do Faial que nasceu do mar no final dos anos 50, em condições muito semelhantes às que se terão verificado em Marte “há mil milhões de anos”.

“Quando Marte tinha mares e lagos, vulcões entraram em erupção nas águas e produziram relevo como o que vemos nos Capelinhos, que erodiu na presença de água persistente. Depois, as águas secaram. O clima de Marte mudou e hoje só temos os esqueletos fantasmagóricos dessa paisagem, preservada nas rochas”, disse James Garvin em entrevista à Lusa à margem da Global Exploration Summit, que começou hoje em Lisboa.

James Garvin, que dirigiu o departamento científico da NASA entre 2004 e 2005, afirmou que os Açores são “um laboratório especial” só comparável a mais dois locais da Terra, um na Islândia, outro em Tonga, com vulcões de erupção recente em meio aquático, com “água e lava a interagirem de forma dinâmica”.

“Sítios como esses, quentes, húmidos e com atividade térmica, seriam bons para surgir vida microbial”, disse.

Na próxima expedição aos Capelinhos, os cientistas olharão para a paisagem em terra e do ar, usando ‘drones’, em preparação para a próxima fase da exploração.

“Voltaremos lá para ver se podemos usar [o vulcão] como caso de estudo para o nosso ‘helicóptero marciano’, que enviaremos com a missão Mars Rover em 2020”, que incluirá um veículo da NASA e outro da Agência Espacial Europeia.

Garvin explicou que “algumas coisas nos Capelinhos acontecem muito depressa numa escala menor, algumas numa escala maior” e que a expedição terá resultados úteis para as compreender na Terra.

“Vemos as maiores a acontecer do espaço e observamos nós próprios as mais pequenas. Depois, juntamos matematicamente as duas e podemos criar modelos para como o vulcão dos Capelinhos evoluirá à medida que o ambiente muda e o nível do mar sobe”, acrescentou.

Comparando os dados recolhidos há 25 com os atuais, será possível ter “um registo dos últimos sessenta anos de erosão no oceano Atlântico” em torno da ilha.

Continuar a Ler

+ Populares