Connect with us

Regional

Marta Guerreiro destaca empenho dos agentes turísticos na divulgação do destino Açores

Publicado

|

A Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo destacou hoje o empenho dos agentes turísticos na divulgação do destino Açores, com um papel ativo na consolidação de uma região turística que, de ano para ano, tem apresentado grandes crescimentos a nível nacional.

“Não temos dúvidas de que têm sido dias proveitosos de trabalho e de troca de contactos assentes nos produtos que cada um destes agentes aqui apresenta, com benefícios para as suas atividades, mas também ações de fortalecimento da oferta do destino como um todo”, frisou Marta Guerreiro, em declarações à margem da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), onde manteve contactos com inúmeras entidades, públicas e privadas, que participam no evento.

Segundo a governante, a qualificação do destino e o combate à sazonalidade são prioridades do Executivo partilhadas pelos agentes do setor, onde “são já muitos e claros os passos de acentuada melhoria ao longo dos últimos anos”.

Nesse sentido, referiu, como exemplo, que, em 2013, o índice de sazonalidade na hotelaria tradicional situava-se nos 58%, estando em 2018 na ordem do 49%, o que representa uma redução assinalável.

Marta Guerreiro afirmou que, de facto, “em 2001, este indicador era praticamente idêntico ao registado na atualidade”, mas frisou que “se tratava de um contexto completamente diferente”.

A Secretária Regional lembrou que, “no início deste século, com uma aposta nos voos da Escandinávia no inverno, numa fase em que o turismo de verão era muito fraco comparado com os níveis atuais, obtiveram-se índices de sazonalidade ligeiramente mais baixos que o atual, no período 2000-2004”.

“Hoje temos um número de dormidas praticamente quatro vezes superior, numa base bem sustentada e, claro, com níveis de rentabilidade da hotelaria que traduzem motivos de satisfação para qualquer empresário do ramo”, acrescentou.

Para a titular da pasta do Turismo, esta consolidação “é bem exemplificada pelas receitas totais da hotelaria tradicional, que eram, em 2001, menos de sete milhões de euros, tendo alcançado, em 2018, os 95 milhões de euros”.

“Em 2018 voltámos a ter um novo recorde de sempre de hóspedes e dormidas nos Açores, com um crescimento superior ao crescimento médio mundial do turismo, facto que tem acontecido todos os anos desde 2015, para além de termos ultrapassado pela primeira vez a fasquia dos 2,5 milhões de dormidas na Região, representando um crescimento de 7,5% face ao ano anterior”, salientou.

Marta Guerreiro frisou ainda que, de acordo com as estatísticas de turismo publicadas hoje, relativas ao mês de janeiro, “à semelhança do sucedido em janeiro do ano passado, neste primeiro mês do ano volta a verificar-se um crescimento nas dormidas muito significativo, de 17,7%, atestando, mais uma vez, a capacidade de se obterem resultados positivos neste desafio de crescer mais nos meses de inverno”.

“Reconhecendo que existem muitas formas de se olhar para o turismo, não nos revemos nas referências que, por vezes, são feitas sobre uma agudização da sazonalidade, num contexto da sua redução extraordinária nos últimos anos e de satisfação geral pela dinâmica comercial empresarial em torno do turismo”, sublinhou.

A Secretária Regional evidenciou a “necessidade de continuar este percurso de melhoria do índice de sazonalidade, assegurando, por um lado, maior conectividade aérea e, por outro, mais promoção e fluxos turísticos que se identifiquem com a nossa atratividade durante todo o ano”.

Fonte: Gacs

Regional

Andreia Cardoso apela à identificação das barreiras arquitetónicas em habitações de idosos ou pessoas dependentes

Publicado

|

A Secretária Regional da Solidariedade Social apelou hoje, em Ponta Delgada, a todos os que, tendo um contacto direto com a população mais idosa ou dependente, possam detetar e sinalizar a existência de casos de habitações que carecem de correção, por constituírem risco de queda.

Andreia Cardoso, que falava na cerimónia de atribuição de apoios para a recuperação de habitação degradada a famílias da ilha de São Miguel, salientou que adequar as habitações das pessoas mais idosas e com mobilidade reduzida é uma das prioridades do Governo dos Açores.

“Pretendemos promover intervenções preventivas em 180 habitações em todo o arquipélago até ao final de 2019, por forma a tornar a casa um ambiente mais seguro e, assim, prevenir as quedas”, afirmou a Secretária Regional, acrescentando que “as quedas são, de facto, fatores de isolamento, fatores de dependência e, naturalmente, fatores de exclusão”.

Este trabalho de sinalização, acrescentou Andreia Cardoso, passa pela identificação dos casos, pela comunidade, à Junta de Freguesia ou diretamente ao serviço local da Direção Regional da Habitação, para que, “com pequenas intervenções, como a transformação de uma escada em rampa, a colocação de um corrimão, a troca de uma banheira por um poliban, seja possível eliminar os pontos de risco de queda”.

Acabar com as barreiras arquitetónicas é uma das medidas incluída no I Plano de Ação Bianual 2018-2019 da Estratégia Regional de Combate à Pobreza e à Exclusão Social, que visa adequar as habitações das pessoas mais idosas e com mobilidade reduzida.

Andreia Cardoso atribuiu hoje apoios a 30 famílias da ilha de São Miguel para a recuperação de habitação degradada e para o combate às térmitas.

“Estamos a dar mais um passo na reabilitação do parque habitacional dos Açores, num investimento público que ascende a cerca de 486 mil euros e que abrange um total de 82 pessoas, que aguardam a ajuda e o impulso para verem as suas habitações melhoradas e requalificadas”, disse a Secretária Regional.

Nesta legislatura, e até março deste ano, o Governo dos Açores já apoiou quase 3.600 famílias, num investimento total superior a 29 milhões de euros no setor da habitação.

Fonte:GACS

Continuar a Ler

Regional

Governo dos Açores acompanha a evolução da atividade sísmica em São Miguel

Publicado

|

O Secretário Regional da Saúde deslocou-se, ao início da manhã de hoje, ao Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA), em Ponta Delgada, para se inteirar da evolução da atividade sísmica que tem sido registada na zona central da ilha de São Miguel.

Rui Luís assegurou que o Governo dos Açores está a acompanhar desde a primeira hora esta situação, através de ‘briefings’ periódicos entre o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores e o CIVISA.

No âmbito deste acompanhamento, as câmaras municipais, os serviços municipais de Proteção Civil e as corporações de bombeiros estão também notificados para o acompanhamento desta atividade sísmica, adiantou o Secretário Regional, que apelou à população para que se mantenha informada e siga os conselhos de segurança do SRPCBA recomendados para estes casos.

FONTE: GACS

Continuar a Ler

Regional

Governo dos Açores apresenta novo programa de promoção de emprego jovem

Publicado

|

O Governo dos Açores apresentou um novo programa de promoção do emprego jovem, denominado Inovar, destinado a jovens até aos 30 anos.

O Vice-Presidente do Governo salientou que este programa vem “colmatar uma lacuna”, que era a não existência de programas de estágio para quem não tem formação profissional ou licenciatura.

Nos programas em vigor, quem acaba a formação no ensino profissional tem acesso ao programa Estagiar T e quem termina uma licenciatura está abrangido pelo Estagiar L, mas não existia uma solução semelhante para quem não se enquadra nestas duas situações.

Com o Inovar, segundo Sérgio Ávila, passa a existir “uma possibilidade de estágio, com garantia de contratação de metade dos estagiários, para quem não fez ensino profissional ou uma licenciatura”.

O governante adiantou que as inscrições decorrem de 15 de abril a 10 de maio, “para que o trabalho se inicie a 1 de junho, num estágio de 11 meses, em empresas privadas e públicas, entidades sem fins lucrativos e na administração pública, em setores estratégicos”.

Podem candidatar-se jovens que estejam desempregados e sem receber subsídio de desemprego e com habilitações académicas até ao 12º ano, com a garantia de que, findo o estágio, as entidades são obrigadas a contratar, pelo menos, metade dos seus estagiários.

Fonte: GACS

Continuar a Ler

+ Populares