Connect with us

Natércia Gaspar

QUAL A SEMELHANÇA ENTRE O MOVIMENTO DOS COLETES AMARELOS (FRANÇA) E O CLIMA DE CONTESTAÇÃO QUE VIVEMOS (PORTUGAL)

Natércia Gaspar

Publicado

|

NATÉRCIA REIS GASPAR QUAL A SEMELHANÇA ENTRE O MOVIMENTO DOS COLETES AMARELOS (FRANÇA) E O CLIMA DE CONTESTAÇÃO QUE VIVEMOS (PORTUGAL)

 

Bom dia caros ouvintes da 105 FM

O que tem em comum o Movimento dos Coletes Amarelos em França e o estado de contestação ao governo que vivemos em Portugal?

Para além de ambas as contestações serem contra as políticas publicas e os seus protagonistas, nada mais têm em comum, apesar de não ser necessário grande esforço para encontrar semelhanças no contexto e na dinâmica social.

Em França, o movimento dos coletes amarelos nasceu de forma espontânea nas redes sociais, é constituído por profissionais liberais, trabalhadores por conta de outrem que contam com o apoio da larga maioria da comunidade. Este traduz o descontentamento das classes média e baixa pelo crescente aumento do fosso entre as elites e aquelas.

Recusam qualquer enquadramento legal ou político e manifestam-se contra o aumento dos impostos, a perda das conquistas sociais; contra a ação ou inação dos sindicatos; e contra os partidos, que têm vindo a provocar a degradação do modelo social e são incapazes de estabelecer um novo compromisso político benéfico ás classes mais baixas.

Por cá não há batalhas na rua contra os corpos policiais ou atos de vandalismo contra o património público e privado (importa salvaguardar que no movimento dos coletes amarelos infiltraram-se grupos da extrema direita e extrema esquerda que fazem recurso à violência), mas as guerras instaladas contra o governo, com recurso à greve, resultam em danos colaterais que prejudicam gravemente os cidadãos.

Em Portugal é o movimento sindical que convoca as greves onde as classes profissionais, cujos trabalhadores fazem parte das classes média alta e alta, reclamam por estatutos, carreiras e aumentos salariais.

Caros ouvintes, é inquestionável o direito à greve, e a ambição de ter melhores condições de trabalho, contudo pede-se mais corresponsabilidade aos sindicatos, das ordens e das associações profissionais na promoção coesão e da justiça social, consequente, paz social. Porque lutar pelos direitos e regalias de alguns, pode pôr em causa a redistribuição da riqueza pela maioria.

Alguma vez vimos os Sindicatos a mobilizar a população para contestar o aumento de impostos, da corrupção, da austeridade e empobrecimentos das pessoas durante a governação do PSD/CDS, na incoerência dos partidos políticos que no poder dizem uma coisa e na oposição outra completamente diferente, nos abusos e aproveitamento de alguns políticos?

Claro que não, bem pelo contrário!

Os sindicatos, são uma espécie de braço armado trás partidos políticos, são compostos por pessoas provenientes de vários serviços, que continuam a receber o salário por inteiro, recebem uma percentagem do salário de cada trabalhador sindicalizado e obviamente que quanto maior o salário maior é o valor da comparticipação.

No sector público, foram os Médicos, os Professores, os Funcionários públicos, os Juízes, os Guardas Prisionais, os Técnicos de diagnóstico, os Enfermeiros esquecendo que são funcionários públicos (eu também sou) e pagos por todos nós inclusive pelos trabalhadores do sector privado que não tem qualquer defesa e têm que pagar mais impostos, receber menos e trabalhar mais horas que os funcionários públicos e ainda são prejudicados com as greves na administração pública.

Por exemplo, a greve dos enfermeiros aos Blocos Operatórios apesar, de ter como objetivo pressionar o Governo pelo impacto económico da mesma, na realidade está a ter impacto na população com o adiamento de cerca de 5000 cirurgias.

Como se não bastasse esta greve atentar contra a saúde das pessoas, a Bastonária da Ordem do Enfermeiros tem tido um discurso incendiário e alarmante afirmando que o país vive “uma catástrofe e uma calamidade sem precedentes” e já equacionam a continuidade da greve no início do próximo ano.

Caros ouvintes, os Enfermeiros estão a atuar com imprudência e com negligencia grosseira, ações que contrariam o código de ética e deontologia destes profissionais.

E não há quem acabe com este abuso e verdadeiro atentado contra a vida humana, nem o Governo que se tem limitado a não ceder.

Não estará na altura de deixarmos de ser o tal povo de brandos costumes e mobilizar-nos para manifestar a nossa indignação e descontentamento criando, o movimento dos coletes vermelhos para simbolizar o cartão vermelho que queremos dar a todos os grupos que não pensam no coletivo, apenas nos seus interesses.

Agradecida pela vossa paciência desejo que fique bem!
Fique com a 105 FM

Natércia Reis Gaspar

Natércia Gaspar

OS “QUEM QUEREM CASAR COM…” TEM UMA PERGUNTA SUBLIMINAR QUE É, “QUEM QUER SER PARVO?”

Natércia Gaspar

Publicado

|

NATÉRCIA REIS GASPAR QUEM QUER SER PARVO?

 

Antes de ver os novos formatos de domingo à noite da SIC e da TVI, partilhei no Facebook, meio a sério, meio a brincar, o que me suscitavam, à partida, aqueles programas.

Transcrevo.
Porque a tradição tem que voltar a ser como era, comunico que como concorrência ao “Quem quer casar com um agricultor?” da SIC e ao “Quem quer casar com o meu filho?” da TVI, … anuncio o QUEM QUER CASAR COM A CAROCHINHA?

Mas com uma variante da moral da história original, ao contrário de um qualquer João Ratão armado em fino e guloso, a minha carochinha quer um noivo bem-apessoado, delicado, inteligente, com sentido crítico, observador e reflexivo, que questione o porquê de o povo gostar destes programas tão cheios de nada e que expõe as pessoas, no mínimo, ao ridículo, já para não falar na vulgarização ” do amor para a vida, puro e verdadeiro”!

Estamos perante mais um formato televisivo que vende a ilusão do “fast love” e do par perfeito caído do céu.
Depois de ver, reitero o que disse, são formatos cheios de nenhum conteúdo, que atenta contra a dignidade da pessoa, independentemente do género.

Os homens aparecem como incapazes de fazer valer os seus atributos para encontrarem, sozinhos, um par para a vida e recorrem a uma montra de mulheres que se digladiam não por eles mas para serem as escolhidas a continuar no programa, nem que para isso tenham que ficar com eles.

As mulheres… até dói, se lembrarmos que o Dia Internacional da Mulher foi apenas há 5 dias e todo o país reclamava o respeito pela dignidade e igualdade de direitos das mulheres.

Sim, a SIC e a TVI também, foram inúmeras as reportagens e documentários a enaltecer o papel da mulher, a registar a diferença de tratamento pela sociedade, a sensibilizar para o combate à violência conta a mulher.

E…2 dias depois, com estes programas, criam todas as condições, para a afirmação dos estereótipos de género. A mulher tem que ser boa dona de casa para servir o homem e este é o seu dono e senhor!

Ora, se considerarmos que a televisão é por excelência um veículo de informação, ou, no caso, de desinformação, e tem superpoderes para formar a opinião pública, a mensagem que passam vem reforçar a imagem estereotipada que a sociedade já tem sobre a mulher.

Claro que as mulheres e homens que participam fazem-no de livre vontade e quase que asseguro que encontrar o amor será a ultima das motivações.

Desconheço se estão em causa prémios, mas tenho a certeza que qualquer um deles, homem ou mulher, procura os seus 15 minutos de fama e tornarem-se celebridades.

Esquecem-se, no entanto, que serão celebridades instantâneas, a quem vão escrutinar toda a sua vida, para vender revistas e programas sensacionalistas e em poucos meses regressarão ao anonimato.

E é claro, também, que estes formatos têm sucesso, porque têm público. Domingo mais de milhão e meio de pessoas assistiram aos “Quem Quer…” da SIC e da TVI e eu assumo, contribui para as estatísticas de Domingo e muito provavelmente irei espreitar de quando em quando, porque há situações que fazem rir, que nos deixam estupefactos e a pensar…como é possível sujeitarem-se a isso? Por que (razão pela qual), em ultima análise, assistir a este tipo de programas faz-nos esquecer os dramas reais que vivemos, os fenómenos dramáticos que ocorrem pelo mundo e afetam milhares de pessoas e, assim, não temos que pensar ou sentir e consequentemente não temos que reagir.

Ficamos em estado puro de alienação, letargia para não dizer de estupidificação tal é o situação de êxtase e inércia em que ficamos!

Cá para mim o nome dos programas, quem quer casar com…tem uma pergunta subliminar que é, “Quem quer ser parvo?”

Fique bem, fique com a 105 FM!

Natércia Gaspar

Continuar a Ler

Natércia Gaspar

PARECES OS HOMENS DO MEU TEMPO

Natércia Gaspar

Publicado

|

NATÉRCIA REIS GASPAR PARECES OS HOMENS DO MEU TEMPO

 

Pareces os homens do meu tempo disse a minha mãe a propósito de um comentário que fiz sobre o facto de ser bom estar em casa e não ir trabalhar, ao que de imediato retorquiu, “até parece que não trabalhas em casa, pareces os homens, no meu tempo, também diziam que as mulheres que ficavam a cuidar da casa e dos filhos não trabalhavam”.

Foi um abanão, um duplo abanão, primeiro, porque a minha mãe estava cheia de razão, as mulheres que exercem uma profissão acabam por ter uma dupla jornada de trabalho, as estatísticas dizem que trabalham mais seis horas por dia que um homem. Depois porque me impressionou, a minha mãe, uma mulher de 84 anos, do século passado, que toda a vida viveu num contexto machista, de repente, tem esta observação tão lúcida e tão à frente das mulheres do seu tempo!

De facto, é secular o esforço de conquista, por parte da Mulher, do reconhecimento da sua dignidade, afinal é disso que se trata.

Todas as conquistas, o direito a voto, as melhores condições de vida e de trabalho, a afirmação no mundo laboral e em tantas outras áreas tradicionalmente nas mãos de homens promovem a dignidade da Mulher.

E é com o objetivo de recordar todo o percurso de conquistas, mas também para sensibilizar que ainda há tanto, mas tanto, a conquistar que dia 8 de março se assinala o Dia Internacional da Mulher.

Porventura a maior das conquistas que demorará gerações a efetivar é a cultural e prende-se com a necessidade de mudar, drasticamente, as representações sociais sobre a Mulher.

É importante que se diga, a mulher também tem que mudar as representações que tem de si e, sobretudo, das outras mulheres.

Atentemos neste início de ano sangrento para as Vítimas de Violência doméstica que morrem nas mãos dos agressores, concretizando um sentimento de posse doentio traduzido na ideia de que “não és minha não és de mais ninguém”.

Este foi o motivo pelo qual o governou decretou luto nacional pelas vítimas de violência doméstica, amanhã, dia 7 de março.

Percebendo o simbolismo da medida, não deixa de ser triste que tenha sido necessário morrer, num tempo recorde de 2 meses, 11 mulheres, para que o Governo tenha acordado para esta realidade.

Não seriam suficientes as mais de 500 mulheres, que morreram desde 2004?

Como já aqui partilhei convosco, o Estado em Portugal tem desvalorizado a questão da violência doméstica apesar dos consecutivos Planos de Combate e Prevenção à Violência Domésticas, cujas medidas ficam-se pelo papel e as que saem, Formação para os vários agentes envolvidos, segurança das vítimas, ações de prevenção, etc., são implementadas de forma descoordenada, sem articulação entre as várias entidades, sem avaliação do impacto dessas ações.

E mais grave ainda, com juízes como o Neto de Moura, sim, porque este não é o único, que por inúmeras vezes demonstrou a sua sensibilidade de elefante para esta matéria e continua a julgar com a cumplicidade dos seus pares.

Mas não é de estranhar, quando se reclama a formação dos magistrados para a igualdade de género e violência doméstica, a Associação Sindical de Juízes vai celebrar o dia Internacional da Mulher, com uma formação em maquilhagem.

No dia em que para os Cristãos começa a Quaresma, permitam que diga: perdoa-os Senhor que não sabem o que fazem!

Fique bem, fique com a 105 FM.

Natércia Gaspar

Continuar a Ler

Natércia Gaspar

DEVÍAMOS MORRER COMO NASCEMOS, COM CALOR HUMANO E QUEM AMAMOS POR PERTO

Natércia Gaspar

Publicado

|

NATÉRCIA REIS GASPAR DEVÍAMOS MORRER COMO NASCEMOS, COM CALOR HUMANO E QUEM AMAMOS POR PERTO

 

Há uma frase célebre que diz que nascemos e morremos sozinhos.

Quanto a mim, é apenas verdade que morremos sozinhos!

Ou pelo menos, cada vez mais os nossos idosos morrem sozinhos, depois de viverem o resto dos seus dias sozinhos!

Quantas vezes as notícias nos relatam a situação de idosos que aparecem mortos em casa, por vezes tanto tempo depois.

Mas a que propósito vem este assunto? Perguntarão vocês.

Um destes dias, um senhor de idade avançada, que vive perto do local onde trabalho, gritava à janela por socorro, sentia-se o seu desespero, corria de uma janela para outra.

Da rua vizinhos, pediam para abrir a porta, mas o senhor apenas gritava de janela em janela. Chamaram os bombeiros para abrir a porta e a ambulância e foi conduzido ao Hospital.

Mais tarde soube-se que tinha tido um AVC e estava internado.

Vivia com a esposa que falecera à pouco mais de um mês. Tem um filho que vive no Canadá.

Um filho que dentro do que a distância permite é presente.

Tinha estado nos Açores, aquando da morte da mãe e voltou agora, com o internamento do pai.

Esta é apenas uma história entre tantas…e esta felizmente não teve um final infeliz, pelo menos por agora…

O envelhecimento é um dos maiores problemas sociais do séc. XXI.

Não queremos encarar esta realidade, o Estado assobia para o lado, nós filhos, ou andamos cegos pelo materialismo que nos obriga a ser escravos do trabalho ignorando as pessoas que amamos, sobretudo os mais velhos, ou, queremos cuidar dos nossos pais, dos nossos avós, mas temos que trabalhar e se deixarmos os nossos empregos ficamos ainda mais expostos à situação de pobreza, é menos um salário lá em casa e não há qualquer tipo de proteção social o que inviabiliza o acesso a uma pensão na idade da reforma.

Estranho, este Estado que comparticipa as IPSS pelos idosos acolhidos em Lar, até dá benefícios fiscais a quem tem idosos institucionalizados, mas se cuidarmos deles, em ambiente familiar, sem os tirar do seu meio, não há qualquer tipo de apoio!

Mesmo assim é numeroso o número de cuidadores informais, que apesar de todas as dificuldades, optam por cuidar dos mais velhos, mas a realidade diz-nos que também é numeroso o número de idosos a viver sozinhos ou isolados.
A GNR, que se diga em abono da verdade, tem feito um trabalho extraordinário, na vigilância, sinalização e encaminhamento de idosos para os serviços competentes, o ano passado na sua já habitual operação “Censos Sénior 2018” sinalizou cerca de 45600 idosos a viver sozinhos.

Caro ouvinte, todos chegaremos a velhos, e todos temos o direito de morrer como nascemos, com calor humano e quem amamos por perto!

Pense nisso!

Fique bem, fique com a 105 FM

Natércia Gaspar

Continuar a Ler

+ Populares