Connect with us

Desporto

Moreirense suspenso das competições durante um ano

Publicado

|

Luís Forra / Lusa

De acordo com o Jornal de Notícias, foi aplicada uma suspensão de um ano ao Moreirense de todas as competições desportivas, devido a uma acusação relacionada com corrupção ativa.

O caso remonta ao final da época 2011/12, altura em que o emblema de Moreira de Cónegos lutava pela subida ao primeiro escalão do futebol português. O clube minhoto foi acusado de subornar jogadores da Naval e do Santa Clara, entre eles Sérgio Grilo e Mendes, nos jogos referentes à 28ª e 29ª jornada.

Em declarações à Lusa, o advogado do Moreirense, Ricardo Sá Fernandes, esclareceu que esta decisão não coloca em causa a participação do clube na liga profissional. “Quem foi aqui condenado foi o Moreirense e não a SAD, que é quem está a disputar a liga profissional”, afirmou o causídico.

Ainda no mesmo processo, também foram condenados Pedro Miguel Magalhães, filho de Vítor Magalhães, presidente do Moreirense, e Manuel Orlando “Alhinho”, antigo vice-presidente do clube, a três anos de prisão, por quatro crimes de corrupção.

Estas penas foram suspensas com a condição de o primeiro pagar cinco mil euros à Federação Portuguesa de Desporto para Pessoas com Deficiência e o segundo entregar dois mil euros ao Centro Social Santa Cruz das Irmãs Passionistas.

O coletivo de juízes condenou ainda o antigo futebolista Nuno Pereira Mendes por três crimes de corrupção e um crime de branqueamento, na pena única de três anos e meio de prisão, suspensa, mediante a condição de entregar 1.500 euros à Santa Casa da Misericórdia da Feira.

Um outro ex-futebolista – Sérgio Grilo Neves – e José William Mendonça, jogador ainda no ativo, foram respetivamente condenados a um ano e três meses e a dois anos de prisão, igualmente com pena suspensa, por um crime de corrupção. Cada um deles terá de pagar mil euros a instituições da Feira.

O tribunal julgou ainda totalmente improcedente o pedido de indemnização cível formulado pela Naval. O advogado do Moreirense já anunciou que vai recorrer do acórdão e manifestou-se chocado, afirmando que “não foi feita nenhuma prova” quanto ao envolvimento do clube no caso.

“Houve neste caso corrupção – claro que houve, isso é manifesto. É uma coisa lamentável, mas não teve nada a ver com o Moreirense, nem com o presidente do Moreirense. É a minha convicção e foi aquilo que resultou do julgamento”, disse Sá Fernandes.

O presidente do Moreirense chegou a ser suspeito de estar na origem deste caso de alegada adulteração da verdade desportiva, mas, no seu caso, o processo foi arquivado por “manifesta insuficiência indiciária”.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), o Moreirense tentou subornar seis jogadores de equipas adversárias para subir de divisão, na época 2011-2012, quando o clube se encontrava na II Liga portuguesa de futebol.

A investigação apurou que o filho de Vítor Magalhães e Orlando “Alhinho” pediram a dois ex-jogadores do Moreirense para abordarem jogadores da Naval e do Santa Clara, prometendo-lhes “avultadas quantias em dinheiro”, para terem “mau desempenho desportivo”, nos jogos de futebol que aquelas equipas iriam disputar com o clube nortenho.

Dos futebolistas contactados apenas um jogador da Naval terá aceitado a proposta, acabando por receber cinco mil euros, por ter sido expulso no jogo que a sua equipa disputou com o Moreirense e que terminou com a vitória dos visitantes por 1-2.

Fonte: Futebol 365

Publicidade

Desporto

FC Porto vence e consolida liderança – RESUMO

Publicado

|

O campeão em título FC Porto reforçou sexta-feira a liderança da I Liga portuguesa de futebol, ao receber e bater o Portimonense por 4-1, depois de estar a perder, no encontro de abertura da 12.ª jornada.

Continuar a Ler

Desporto

FC Porto abre “oitavos” da Taça de Portugal

Publicado

|

A Federação Portuguesa de Futebol revelou, esta sexta-feira, o calendário dos oitavos-de-final da Taça de Portugal. Os jogos realizam-se a 18 e 19 de dezembro, uma terça e uma quarta-feira, respetivamente.

O primeiro grande a entrar em campo é o FC Porto, na receção ao Moreirense, às 20h45 de terça-feira. Sporting e Benfica jogam no dia seguinte. Os leões recebem o Rio Ave, às 19h30, e o Benfica visita o Montalegre, do Campeonato de Portugal, às 20h45.

Confira todos os jogos
18 de dezembro de 2018 | terça-feira
19h00:Vitória FC (LN) vs. SC Braga (LN)
20h00: Leixões SC (LLP) vs. CD Tondela (LN)
20h45: FC Porto (LN) vs. Moreirense FC (LN)

19 de dezembro de 2018 | quarta-feira
15h00: CD Feirense (LN) vs. FC Paços de Ferreira (LLP)
15h00: Boavista FC (LN) vs. Vitória SC (LN)
16h00: CD Aves (LN) vs. GD Chaves (LN)
19h30: Sporting CP (LN) vs. Rio Ave FC (LN)
20h45: DC Montalegre (CP) vs. SL Benfica (LN)

LN – Liga NOS; LLP – Ledman Liga Pro; CP – Campeonato de Portugal.

Golo fm

Continuar a Ler

Desporto

E-toupeira: Debate instrutório do processo adiado para 03 de dezembro

Agência Lusa

Publicado

|

O debate instrutório do processo ‘e-toupeira’, que estava agendado para segunda-feira, no Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), foi adiado para 03 de dezembro, avançou hoje à Lusa fonte oficial da Benfica SAD.

De acordo com a mesma fonte, na segunda-feira, em vez de ter lugar o debate instrutório, na sessão pública que estava programada para ter início às 14:00 no TCIC, vão haver audições de mais testemunhas, cuja identidade ainda não foi possível apurar.

Esta alteração resultou de uma reclamação dos advogados da SAD ‘encarnada’, aceite pela juíza de instrução criminal Ana Peres, que abriu uma nova oportunidade para ouvir testemunhas e levou ao adiamento do debate instrutório por uma semana.

Esta informação surge no mesmo dia em que os advogados da SAD do Benfica abdicaram de ouvir o presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Fernando Gomes, na instrução do processo ‘e-toupeira’, disse à Lusa fonte do clube.

De acordo com a mesma fonte, os advogados da sociedade ‘encarnada’ entenderam que a matéria já estava esclarecida, do ponto de vista da inquirição, justificando a dispensa de Gomes, cujo testemunho estava previsto para terça-feira e foi adiado para que pudesse acompanhar o jogo entre Portugal e Polónia, da Liga das Nações.

A fase de instrução do processo ‘e-toupeira’, requerida pelos quatro arguidos, incluindo a Benfica SAD, começou em 14 de novembro, no Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), em Lisboa.

A instrução, fase facultativa que visa decidir por um juiz de instrução criminal se o processo segue para julgamento, decorreu à porta fechada, e tem o debate instrutório marcado para segunda-feira, às 14:00, numa sessão pública, tal como será a leitura da decisão da instrução, ainda sem data marcada.

No Requerimento de Abertura de Instrução (RAI), a SAD do Benfica defende que a acusação do Ministério Público (MP) é infundada e que terá de cair nesta fase.

O RAI assenta em três pontos essenciais, entre os quais o desconhecimento dos factos imputados ao seu antigo assessor jurídico Paulo Gonçalves e restantes dois arguidos, ambos funcionários judiciais.

A sociedade que gere o futebol profissional ‘encarnado’ aponta ainda a ausência de elementos probatórios que a liguem aos atos descritos na acusação e a omissão de narração de factos concretos na acusação que permitam imputar-lhe a prática de qualquer crime.

A acusação do MP considera que o presidente da Benfica SAD, Luís Filipe Vieira, teve conhecimento e autorizou a entrega de benefícios aos dois funcionários judiciais, por parte de Paulo Gonçalves, a troco de informações sobre processos em segredo de justiça, envolvendo o Benfica, mas também clubes rivais.

A SAD do Benfica está acusada de 30 crimes e Paulo Gonçalves de 79 crimes. O MP acusou a SAD do Benfica de um crime de corrupção ativa, de um crime de oferta ou recebimento indevido de vantagem e de 29 crimes de falsidade informática.

Continuar a Ler

+ Populares