Connect with us

Regional

Projetos científicos a decorrer na área da biodiversidade nos Açores representam três milhões de euros

GACS

Publicado

|

O Diretor Regional da Ciência e Tecnologia afirmou hoje, em Lisboa, que os Açores reúnem uma “imensa e rica diversidade e variabilidade de espécies e ecossistemas”, que fazem do arquipélago “um dos mais ricos palcos da biodiversidade terreste, marinha e vegetal, mundialmente reconhecido”.

Bruno Pacheco frisou que a biodiversidade é “a âncora” de muitas atividades na Região, sobretudo das “atividades de base científica”, acrescentando que é uma “área transversal” da Estratégia de Especialização Inteligente (RIS3), que está neste momento a ser revista.

O Diretor Regional, que falava na sessão de abertura do 4.º Encontro Anual Frontiers IN E3, salientou que a biodiversidade representa o “ativo máximo” a partir da qual se desenvolve “toda a criação de riqueza dos Açores”.

Neste sentido, referiu que a Região possui áreas classificadas e reconhecidas internacionalmente, por razões ambientais e científicas, com o estatuto de Rede Natura 2000, Património Natural da Humanidade, Áreas RAMSAR e Áreas Marinhas Protegidas ao abrigo da Convenção OSPAR, entre outras de âmbito nacional e internacional.

Na sua intervenção, lembrou também que as ilhas da Graciosa, Flores e Corvo, assim como as fajãs de São Jorge, estão classificadas pela UNESCO como Reserva da Biosfera, acrescentando que a Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico está classificada como Património Natural da Humanidade.

“Todos estes galardões são possíveis porque, nos Açores, temos equipas com bases científicas sólidas que permitem aos decisores políticos tomar medidas que contribuem para atingir esses objetivos”, afirmou Bruno Pacheco.

O Diretor Regional assegurou que o Executivo açoriano pretende reforçar a integração das áreas que se assumem como geradoras de riqueza, bem como o envolvimento de todos os ‘stakeholders’, apontando, a título de exemplo, o projeto MOVE, integrado na ação 5 da Estratégia de Biodiversidade da União Europeia, coordenado pelo Fundo Regional para a Ciência e Tecnologia (FRCT), e que conta com a coordenação científica da Universidade dos Açores.

Bruno Pacheco salientou que estão a decorrer nos Açores projetos na esfera da biodiversidade que representam um valor de investimento global de cerca de três milhões de euros, repartidos por várias entidades, mas, em especial, pela Universidade dos Açores e pelo Fundo Regional de Ciência e Tecnologia.

Neste sentido, apontou os projetos INDICIT, MISTIC SEAS 2 e BEST III, que, entretanto, já terminou e que tem como objetivo criar uma plataforma de partilha de informação sobre oportunidades de financiamento em projetos na área da conservação e no uso sustentável da biodiversidade e dos serviços dos ecossistemas nas regiões e países ultraperiféricos e nos territórios europeus ultramarinos.

“A par do avultado investimento neste tipo de projetos, no que diz respeito à formação avançada, temos 15 projetos de formação, bolsas, representando um investimento superior a um milhão de euros”, frisou.

“Nos Açores, temos bem presente que, pelo menos, 40% da economia mundial e 80% das necessidades dos povos dependem dos recursos biológicos”, disse Bruno Pacheco, acrescentando, por isso, que o Governo Regional vai continuar a apostar no investimento e no desenvolvimento de projetos na área da biodiversidade para garantir que “preservamos o que temos de melhor”.

“Estamos todos convocados para demonstrar o real valor económico e social que os ecossistemas representam para nós”, afirmou o Diretor Regional.

GaCS/GM

Regional

Andreia Cardoso apela à identificação das barreiras arquitetónicas em habitações de idosos ou pessoas dependentes

Publicado

|

A Secretária Regional da Solidariedade Social apelou hoje, em Ponta Delgada, a todos os que, tendo um contacto direto com a população mais idosa ou dependente, possam detetar e sinalizar a existência de casos de habitações que carecem de correção, por constituírem risco de queda.

Andreia Cardoso, que falava na cerimónia de atribuição de apoios para a recuperação de habitação degradada a famílias da ilha de São Miguel, salientou que adequar as habitações das pessoas mais idosas e com mobilidade reduzida é uma das prioridades do Governo dos Açores.

“Pretendemos promover intervenções preventivas em 180 habitações em todo o arquipélago até ao final de 2019, por forma a tornar a casa um ambiente mais seguro e, assim, prevenir as quedas”, afirmou a Secretária Regional, acrescentando que “as quedas são, de facto, fatores de isolamento, fatores de dependência e, naturalmente, fatores de exclusão”.

Este trabalho de sinalização, acrescentou Andreia Cardoso, passa pela identificação dos casos, pela comunidade, à Junta de Freguesia ou diretamente ao serviço local da Direção Regional da Habitação, para que, “com pequenas intervenções, como a transformação de uma escada em rampa, a colocação de um corrimão, a troca de uma banheira por um poliban, seja possível eliminar os pontos de risco de queda”.

Acabar com as barreiras arquitetónicas é uma das medidas incluída no I Plano de Ação Bianual 2018-2019 da Estratégia Regional de Combate à Pobreza e à Exclusão Social, que visa adequar as habitações das pessoas mais idosas e com mobilidade reduzida.

Andreia Cardoso atribuiu hoje apoios a 30 famílias da ilha de São Miguel para a recuperação de habitação degradada e para o combate às térmitas.

“Estamos a dar mais um passo na reabilitação do parque habitacional dos Açores, num investimento público que ascende a cerca de 486 mil euros e que abrange um total de 82 pessoas, que aguardam a ajuda e o impulso para verem as suas habitações melhoradas e requalificadas”, disse a Secretária Regional.

Nesta legislatura, e até março deste ano, o Governo dos Açores já apoiou quase 3.600 famílias, num investimento total superior a 29 milhões de euros no setor da habitação.

Fonte:GACS

Continuar a Ler

Regional

Governo dos Açores acompanha a evolução da atividade sísmica em São Miguel

Publicado

|

O Secretário Regional da Saúde deslocou-se, ao início da manhã de hoje, ao Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA), em Ponta Delgada, para se inteirar da evolução da atividade sísmica que tem sido registada na zona central da ilha de São Miguel.

Rui Luís assegurou que o Governo dos Açores está a acompanhar desde a primeira hora esta situação, através de ‘briefings’ periódicos entre o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores e o CIVISA.

No âmbito deste acompanhamento, as câmaras municipais, os serviços municipais de Proteção Civil e as corporações de bombeiros estão também notificados para o acompanhamento desta atividade sísmica, adiantou o Secretário Regional, que apelou à população para que se mantenha informada e siga os conselhos de segurança do SRPCBA recomendados para estes casos.

FONTE: GACS

Continuar a Ler

Regional

Governo dos Açores apresenta novo programa de promoção de emprego jovem

Publicado

|

O Governo dos Açores apresentou um novo programa de promoção do emprego jovem, denominado Inovar, destinado a jovens até aos 30 anos.

O Vice-Presidente do Governo salientou que este programa vem “colmatar uma lacuna”, que era a não existência de programas de estágio para quem não tem formação profissional ou licenciatura.

Nos programas em vigor, quem acaba a formação no ensino profissional tem acesso ao programa Estagiar T e quem termina uma licenciatura está abrangido pelo Estagiar L, mas não existia uma solução semelhante para quem não se enquadra nestas duas situações.

Com o Inovar, segundo Sérgio Ávila, passa a existir “uma possibilidade de estágio, com garantia de contratação de metade dos estagiários, para quem não fez ensino profissional ou uma licenciatura”.

O governante adiantou que as inscrições decorrem de 15 de abril a 10 de maio, “para que o trabalho se inicie a 1 de junho, num estágio de 11 meses, em empresas privadas e públicas, entidades sem fins lucrativos e na administração pública, em setores estratégicos”.

Podem candidatar-se jovens que estejam desempregados e sem receber subsídio de desemprego e com habilitações académicas até ao 12º ano, com a garantia de que, findo o estágio, as entidades são obrigadas a contratar, pelo menos, metade dos seus estagiários.

Fonte: GACS

Continuar a Ler

+ Populares