Connect with us

Regional

Projetos científicos a decorrer na área da biodiversidade nos Açores representam três milhões de euros

GACS

Publicado

|

O Diretor Regional da Ciência e Tecnologia afirmou hoje, em Lisboa, que os Açores reúnem uma “imensa e rica diversidade e variabilidade de espécies e ecossistemas”, que fazem do arquipélago “um dos mais ricos palcos da biodiversidade terreste, marinha e vegetal, mundialmente reconhecido”.

Bruno Pacheco frisou que a biodiversidade é “a âncora” de muitas atividades na Região, sobretudo das “atividades de base científica”, acrescentando que é uma “área transversal” da Estratégia de Especialização Inteligente (RIS3), que está neste momento a ser revista.

O Diretor Regional, que falava na sessão de abertura do 4.º Encontro Anual Frontiers IN E3, salientou que a biodiversidade representa o “ativo máximo” a partir da qual se desenvolve “toda a criação de riqueza dos Açores”.

Neste sentido, referiu que a Região possui áreas classificadas e reconhecidas internacionalmente, por razões ambientais e científicas, com o estatuto de Rede Natura 2000, Património Natural da Humanidade, Áreas RAMSAR e Áreas Marinhas Protegidas ao abrigo da Convenção OSPAR, entre outras de âmbito nacional e internacional.

Na sua intervenção, lembrou também que as ilhas da Graciosa, Flores e Corvo, assim como as fajãs de São Jorge, estão classificadas pela UNESCO como Reserva da Biosfera, acrescentando que a Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico está classificada como Património Natural da Humanidade.

“Todos estes galardões são possíveis porque, nos Açores, temos equipas com bases científicas sólidas que permitem aos decisores políticos tomar medidas que contribuem para atingir esses objetivos”, afirmou Bruno Pacheco.

O Diretor Regional assegurou que o Executivo açoriano pretende reforçar a integração das áreas que se assumem como geradoras de riqueza, bem como o envolvimento de todos os ‘stakeholders’, apontando, a título de exemplo, o projeto MOVE, integrado na ação 5 da Estratégia de Biodiversidade da União Europeia, coordenado pelo Fundo Regional para a Ciência e Tecnologia (FRCT), e que conta com a coordenação científica da Universidade dos Açores.

Bruno Pacheco salientou que estão a decorrer nos Açores projetos na esfera da biodiversidade que representam um valor de investimento global de cerca de três milhões de euros, repartidos por várias entidades, mas, em especial, pela Universidade dos Açores e pelo Fundo Regional de Ciência e Tecnologia.

Neste sentido, apontou os projetos INDICIT, MISTIC SEAS 2 e BEST III, que, entretanto, já terminou e que tem como objetivo criar uma plataforma de partilha de informação sobre oportunidades de financiamento em projetos na área da conservação e no uso sustentável da biodiversidade e dos serviços dos ecossistemas nas regiões e países ultraperiféricos e nos territórios europeus ultramarinos.

“A par do avultado investimento neste tipo de projetos, no que diz respeito à formação avançada, temos 15 projetos de formação, bolsas, representando um investimento superior a um milhão de euros”, frisou.

“Nos Açores, temos bem presente que, pelo menos, 40% da economia mundial e 80% das necessidades dos povos dependem dos recursos biológicos”, disse Bruno Pacheco, acrescentando, por isso, que o Governo Regional vai continuar a apostar no investimento e no desenvolvimento de projetos na área da biodiversidade para garantir que “preservamos o que temos de melhor”.

“Estamos todos convocados para demonstrar o real valor económico e social que os ecossistemas representam para nós”, afirmou o Diretor Regional.

GaCS/GM

Regional

Semana dos Resíduos com 169 ações de sensibilização em todas as ilhas dos Açores

GACS

Publicado

|

Por

A Secretaria Regional da Energia, Ambiente e Turismo, através da Direção Regional do Ambiente, promove, de hoje até 25 de novembro, a realização da 9.ª Semana dos Resíduos dos Açores, inserida na 10.ª Semana Europeia da Prevenção de Resíduos, com objetivo de envolver, em todas as ilhas, ações organizadas voluntariamente por entidades públicas e privadas.

Nesse sentido, está prevista a realização de 169 ações de sensibilização em todas as ilhas, organizadas por 86 entidades, assim como a dinamização de várias parcerias, desde a administração pública, autarquias, empresas privadas, entidades gestoras e operadores de resíduos, estabelecimentos de ensino, associações e organizações não-governamentais para o ambiente e unidades de saúde.

Entre as iniciativas previstas, destacam-se duas ações de âmbito regional, decorrendo as restantes nas ilhas do Pico (37), São Miguel (36), Terceira (21), Santa Maria (18), Faial (17), Flores (14), Graciosa (10), São Jorge (9) e Corvo (7), registando-se um aumento relativamente à edição de 2017, ano em que se realizaram 160 ações nos Açores.

Durante esta semana, as ações serão desenvolvidas de acordo com a temática “Prevenção de Resíduos Perigosos – É tempo de desintoxicar!”, com o objetivo de implementar ações de sensibilização sobre a gestão sustentável dos recursos e dos resíduos, visando a alteração dos comportamentos dos cidadãos europeus relativamente aos seus padrões e hábitos de consumo.

Os interessados podem consultar o programa completo no endereço eletrónico http://portaldosresiduos.azores.gov.pt.

Continuar a Ler

Regional

SOS Cagarro 2018 permitiu salvar cerca de 4.780 juvenis nos Açores

GACS

Publicado

|

Por

O Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia anunciou hoje, em Vila Franca do Campo, que, no âmbito da campanha SOS Cagarro 2018, que terminou quinta-feira, foram salvas cerca de 4.780 aves, salvaguardando que estes são ainda números preliminares.

Segundo Gui Menezes, desde o início desta iniciativa, em 1995, este é o quarto ano com o maior registo de quedas de cagarros juvenis no arquipélago.

O Secretário Regional, que falava no Clube Naval de Vila Franca, à margem da sessão de encerramento do SOS Cagarro, no Dia Nacional do Mar, lembrou que esta é a maior campanha de conservação da natureza e de educação ambiental do país, que se realiza consecutivamente há quase 25 anos, envolvendo centenas de cidadãos e dezenas de entidades em toda a Região.

Neste sentido, pela primeira vez, este ano foram atribuídos os galardões Cagarro D’ouro para distinguir os cidadãos e entidades que mais contribuem para o salvamento destas aves marinhas.

Gui Menezes referiu que “esta homenagem simbólica pretende agradecer o empenho e dedicação nesta campanha”, sendo que este ano serão atribuídos 24 prémios a entidades parceiras da campanha, a cidadãos ou grupos de cidadãos voluntários, a organizações não governamentais e a entidades privadas.

Na ilha de São Miguel, a PSP, a Associação Amigos dos Açores, a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) e Luís Noronha Botelho, que este ano salvou 85 cagarros, foram os homenageados.

O Secretário Regional destacou ainda a importância de “salvaguardar e preservar” o ilhéu de Vila Franca, uma reserva natural, “enquanto santuário de aves marinhas nidificantes, como é o caso do cagarro”.

Neste sentido, valorizou as parcerias com entidades como o Clube Naval de Vila Franca do Campo e a SPEA para ações de conservação de habitats e espécies no ilhéu.

Continuar a Ler

Regional

Presidente do Governo inaugura Centro de Alojamento Temporário que pretende contribuir para “reerguer vidas”

GACS

Publicado

|

Por

O Presidente do Governo inaugurou hoje, em Ponta Delgada, o Centro de Alojamento Temporário e Apoio aos Sem-Abrigo, um investimento de cerca de quatro milhões de euros que é expressão prática de uma Região e de um Povo “que não desiste dos seus concidadãos, especialmente daqueles que se encontram em situação de maior fragilidade”.

“A decisão de fazer este investimento corresponde a uma opção política que assumimos convictamente e da qual temos muito orgulho, porque temos o dever de responder às necessidades de todos os Açorianos. Não sendo esta uma responsabilidade exclusiva das entidades públicas, daqui dizemos que é também nossa responsabilidade”, afirmou Vasco Cordeiro.

No final da visita de trabalho de três dias do Governo à ilha de São Miguel, o Presidente do Executivo Açoriano adiantou que, se é verdade que este é um investimento público significativo, a relevância desta obra vai muito para além do seu montante financeiro.

“É muito importante que vejamos este investimento, não apenas e só naquilo que ele é enquanto obra pública, mas, sobretudo, como uma forma de criar as condições para que, dentro destas paredes, se refaçam e reergam vidas e se aproveite o que cada uma das pessoas que o vão utilizar tem para dar também à nossa sociedade”, sublinhou.

De acordo com Vasco Cordeiro, o Governo tem a consciência que isso implica, em “todo este complexo caminho, uma estratégia articulada, consequente nos efeitos e alargada no tempo” e, acima de tudo, assente numa forte parceria entre as entidades públicas e privadas, neste caso concreto, a Cáritas de São Miguel.

Porque o objetivo deste Centro não é apenas de prover abrigo, mas o de reerguer vidas, Vasco Cordeiro salientou que este objetivo se concretiza, em grande medida, pela integração dos utentes no mercado de trabalho, razão pela qual o Governo apoiou, desde a primeira hora, o projeto ‘Terra Viva’ que a Cáritas de São Miguel vai iniciar até ao final deste ano.

“Gostaria, neste âmbito, de relevar a componente da formação profissional que este Centro de Acolhimento disponibiliza, com capacidade para 30 utentes, condição fundamental para que se concretizem os objetivos para os quais foi pensado e edificado”, afirmou.

Com este projeto, financiado em mais de 40 mil euros pelo Governo, e para além das competências que serão adquiridas, os formandos passarão a ter um papel ativo, através da comercialização dos produtos cultivados, contribuindo para a sustentabilidade do ‘Terra Viva’.

Numa primeira fase, serão abrangidos diretamente os utentes que se encontrem acolhidos nas valências de acolhimento temporário da Cáritas de São Miguel, bem como de outras instituições desta ilha que trabalham nesta área, assim como utentes encaminhados através da rede da mobilidade humana, coordenada pelo Instituto de Segurança Social dos Açores.

“A minha convicção no sucesso deste projeto de formação assenta ainda no facto de ele prever uma rede de parceiros, que integra entidades públicas, como a Direção Regional da Solidariedade Social, o Instituto de Segurança Social dos Açores e os Serviços de Desenvolvimento Agrário da Ilha de São Miguel, mas também privadas, como é o caso da BioKairós e de produtores agrícolas locais, um sinal muito evidente que a sociedade açoriana está desperta e disponível quando é chamada a colaborar em nome do interesse comum”, sublinhou o Presidente do Governo.

Localizado na cidade de Ponta Delgada, o Centro de Alojamento Temporário hoje inaugurado tem capacidade para 90 utentes – 60 em situação de acolhimento emergente ou temporário e 30 para formação.

Atualmente, existem 14 Centros de Alojamento Temporário, com capacidade para acolher 160 utentes na Região, estando também em funcionamento duas unidades móveis, com capacidade de resposta para apoiar cerca de 200 utentes, respostas sociais que o Governo apoia com uma verba anual de cerca de 1,5 milhões de euros.

Continuar a Ler

+ Populares