Connect with us

Opinião

A TAUROMAQUIA NÃO É UMA HERANÇA CULTURAL

Pedro Neves

Publicado

|

PEDRO NEVES A TAUROMAQUIA NÃO É UMA HERANÇA CULTURAL

 

No dia 6 de Julho, o PAN, apresentou o Projecto de Lei que determinava a abolição de corridas de touros em Portugal.

Num acto de “bravura”, e mesmo sabendo que quase todos os deputados ou eram contra ou não tinham liberdade de voto, o deputado do PAN interveio de forma trovosa num plenário excepcionalmente ruidoso.

Nós sabíamos de antemão da dificuldade que nos esperava e que a aprovação desta iniciativa seria um conceito tão admirável como remoto, pelo seu contraste proporcional. Era previsto, em nome de uma consciência plena e da democracia representativa, que os partidos caucionassem a liberdade de voto aos seus deputados, conferindo assim a vontade expressa e individual de cada pessoa que se senta numa cadeira com competência legislativa e soberana.

Os partidos, ao retirarem esse poder de quem representa uma assembleia, blindaram e desvirtuaram a noção inicial de quem queria ou não promover uma actividade disfarçada de herança cultural.

Essa herança cultural e a cultura são argumentos frequentemente utilizados na hora de justificar a existência de espectáculos tauromáquicosa pretexto de uma pretensa manifestação de expressão artística e a coberto da dignidade constitucional do direito à cultura, com total desconsideração pelo conhecimento científico que reconhece os animais como seres sencientes dotados de consciência e ignorando por completo os ecos de modernidade que, um pouco por toda a parte, reivindicam mais e melhor protecção para os animais não-humanos.

Perante as características desumanas da prática, que não respeita os direitos básicos humanos e por inerência, os não humanos fundamentais, não consigo vislumbrar enquadramento para incluir uma prática com a qual apenas uma pequena parcela da comunidade se identifica e deseja ver reconhecida com expressão cultural, funcionando como um lobby que se opõe a uma certa evolução das mentalidades e em nada abona a favor de um desenvolvimento sustentável.

Esta iniciativa desencadeada pelo PAN, não foi nem uma acção eleitoralista nem populista, já que remonta do tempo da sua própria génese, aquando a criação do partido em 2009. Logo a seguir, em 2010, o partido entregou ao antigo presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, uma Petição contra a criação de uma secção de tauromaquia no Conselho Nacional de Cultura (CNC), que reuniu 8.000 assinaturas em menos de dois meses.

Uma coisa é certa, vamos continuar a lutar pela abolição das touradas, abolição essa que será certa.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Aníbal Pires

O emprego, a ATA e a SATA

Aníbal Pires

Publicado

|

ANÍBAL PIRES O emprego, a ATA e a SATA

 

Apesar de Agosto e, para lá dos incêndios que, nos últimos dias, fustigaram Monchique e Silves e, sobre os quais muito tem sido dito nos estúdios das televisões nacionais, nem sempre com abordagens dignas e, sobretudo, que não respeitam o sofrimento das populações afetadas, nem os homens e mulheres que combatem os fogos e protegem as populações.

Mas, como dizia apesar de ser Agosto e, para lá do drama anual dos incêndios florestais, por cá sempre vai havendo uma novidade ou outra que merecem atenção.

Não sei se deu conta, mas o INE divulgou os dados do emprego do segundo trimestre deste ano e o desemprego continua a cair. A Vice-presidência do Governo Regional lá veio a público assumir que tudo isto se deve às políticas regionais promotoras do emprego. Antes de continuar devo dizer-lhe que só posso ficar satisfeito pela descida do desemprego na Região e que essa descida, de facto, se tem vindo a verificar de forma continuada.

Não tenho, contudo, a mesma opinião do Vice-presidente do Governo Regional sobre a leitura dos dados do INE e muito menos quanto aos motivos que estão na origem da descida do desemprego na Região.

Os dados divulgados pelo INE não contemplam algumas variáveis, é uma questão metodológica, mas se os dados tivessem em devida conta o subemprego, os trabalhadores a tempo parcial, os inativos disponíveis que não procuram emprego e os cidadãos afetos a programas ocupacionais, então a taxa de desemprego seria bem maior. Isto não me dá nenhuma satisfação, mas se queremos tratar dos problemas do desemprego e promover políticas de emprego, então não podemos escamotear estes dados que nos afastam da realidade.

Quanto ao contexto que tem favorecido o aumento do emprego na Região, ao contrário do que é afirmado pelo Governo Regional, a descida da taxa de desemprego na Região não se fica a dever ás políticas regionais, mas sim a um contexto nacional favorável. Não estou a fazer esta afirmação de forma gratuita. Não o faço só porque sim. Faço-o ancorado nos dados mensais sobre o emprego divulgados pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Vejamos, no trimestre a que se referem os últimos dados do INE podemos verificar na informação facultada pelo IEFP que em todas as regiões do país se apurou uma descida da taxa de desemprego, no entanto, verifica-se que a descida nos Açores fica muito abaixo da média nacional. Mas se alargarmos a análise a outros trimestres constatamos exatamente o mesmo, os Açores ficam sistematicamente muito abaixo da média nacional. O expetável seria que a Região e as suas políticas de emprego tivessem um impacto positivo na criação de emprego e que a descida da taxa de desemprego na Região fosse superior à média nacional, Mas não.

Assim só posso inferir que se a taxa de desemprego na Região acompanha, em baixa, a tendência nacional é o contexto nacional que tem favorecido a descida da taxa de desemprego nos Açores e não as políticas regionais. Apenas isto.

Vou continuar consigo mais uns instantes para lhe deixar duas notas sobre o Grupo SATA.

A primeira, uma boa notícia, é a saída da SATA do capital da Associação de Turismo dos Açores (ATA). Já devia ter acontecido desde que foi alterado o paradigma do modelo de transporte aéreo de e para a Região, ou seja desde de 2015. Esta decisão peca por tardia, mas não posso deixar de a registar como uma medida positiva.

A ATA é uma empresa da esfera do setor público empresarial regional e que vai, finalmente, ser entregue à iniciativa privada. Claro que o representante do setor privado não gosta da solução, ou melhor gostar até gosta se o erário público continuar a financiar o seu funcionamento. Ora muito bem. Afinal os empresários querem, ou não, libertar-se do jugo do poder público.

A outra nota, e esta sim será a final tem a ver com a entrada em funções do novo Conselho de Administração do Grupo SATA. Já era conhecida a figura que vai assumir a presidência, o Dr. António Teixeira, foram ontem divulgados mais dois, ou apenas os dois, elementos que vão integrar, a partir de segunda-feira o Conselho de Administração do Grupo.

A nomeação da Dra. Ana Azevedo, a quem desejo sucesso, vem comprovar que dentro do Grupo existem quadros capazes de assumir a administração, e há por lá mais, quanto ao Dr. Vítor Costa é mais um recrutamento externo com origem numa espécie de ninho de gestores públicos. Aguardemos pela distribuição de responsabilidades, mas também para perceber se a composição deste Conselho de Administração se fica, ao contrário dos anteriores, apenas por 3 elementos ficando a aguardar uma recomposição quando for concluído o processo de privatização dos tais 49% da Azores Airlines.

Não deixei votos de sucesso ao Dr. António Teixeira e ao Dr. Vítor Costa, Deixei sim. Os votos de sucesso para a Dra. Ana Azevedo, ainda que de forma implícita, são para todo o Conselho de Administração pois, o sucesso que desejo à Dra. Ana Azevedo será sempre capitalizado a favor de toda a administração.

É um prazer estar consigo
Fique bem.

Aníbal C. Pires, Ponta Delgada, 11 de Agosto de 2018

Continuar a Ler

Pedro Gomes

MAIS UMA COMISSÃO, MAIS UMA VOLTINHA

Pedro Gomes

Publicado

|

PEDRO GOMES MAIS UMA COMISSÃO, MAIS UMA VOLTINHA



Na semana em que o futebol regressa em força, com o início do campeonato nacional e os primeiros jogos de pré-qualificação para a Champions, eis que o Conselho de Ministros decide criar mais uma Alta Autoridade, desta vez para combater a violência no desporto.

Segundo o comunicado oficial da reunião do Conselho de Ministros, esta nova entidade será responsável “pelo cumprimento do regime jurídico do combate à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nos espectáculos desportivos”.

Perante os últimos casos de violência no desporto, envolvendo atletas e equipas dos primeiros escalões das competições desportivas, o Governo reage da forma habitual: cria uma comissão – neste caso uma Alta Autoridade – e anuncia mudanças legislativas, como se a prevenção das condutas violentas no desporto ou a sua repressão dependesse duma autoridade administrativa e de mudanças legislativas.

Possivelmente esta Alta Autoridade irá envolver-se em discussões teóricas sobre os limites das suas competências com outra estrutura já existente: a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação no Desporto.

Quanto ao resto será o costume: teremos novas leis e continuaremos com más práticas e sem muita vontade de aplicar as boas soluções legislativas já existentes.

O Governo e as estruturas desportivas – algumas até com estatuto de utilidade pública – evitam sempre ter mão pesada perante comportamentos violentos em eventos desportivos. A cultura do laxismo estendeu-se ao problema da violência desportiva, perante a indiferença de todos.

Estou muito céptico em relação a esta comissãozinha, às suas competências e às medidas legislativas anunciadas com a pompa e a circunstância de Verão.

Não sou cultor de condutas repressivas, como forma sistemática de combate à criminalidade, mas defendo uma intervenção exemplar do Estado e das estruturas desportivas em relação aos espectadores, adeptos ou clubes envolvidos em situações de violência desportiva.

Não falo apenas da violência mais visível, que abre os telejornais e faz manchete nos jornais, mas também da outra, que ocorre ao nível dos escalões de formação e é protagonizada por espectadores ou por pais dos atletas mais jovens.

Para dar um exemplo, refiro o facto de, no ano passado, mais de metade das agressões a árbitros de futebol teve como alvo os jovens árbitros, com menos de 18 anos, que apitam escalões de formação.

Estas agressões não foram notícia, mas aconteceram e deixaram marcas.

Mais uma voltinha e ficou tudo na mesma.

Pedro Gomes
10AGO2018 – 105 FM

Continuar a Ler

Paulo Casaca

Memórias e tradições da ilha do Corvo

Paulo Casaca

Publicado

|

PAULO CASACA Memórias e tradições da ilha do Corvo

 

Chegou-me este Verão a Bruxelas o livro “As Memórias e Tradições da ilha do Corvo”, da autoria de Fernando Pimentel. É a ocasião para eu abraçar as memórias de quem lá vive, casá-las com as minhas, recordar e sonhar com a próxima viagem, reencontro e alargamento às gerações futuras de algo que é tão profundamente parte de mim.

Como o autor nos descreve, o Corvo é o Espírito Santo, esse monumento a tudo o que de melhor já vi a religião conceber, com surpreendentes marcas singulares de identidade que nos ajudam a entender um pouco mais do percurso do culto que simboliza os Açores.

A construção política corvina, ‘a democracia cristã de lavradores’ de que nos falou Raul Brandão, é aqui explicada como a comunidade dominada pelo Outeiro e os seus mecanismos de decisão e comunicação, conjugando o comunitário e o privado na gestão do baldio, organizando o dia da lã ou a partilha do porco.

Não se trata da receita universal para a harmonia que proscreve o conflito, como o autor nos exemplifica com a eclosão de filarmónicas rivais que se confrontam duramente, influenciadas por conflitos de gerações e por lógicas políticas, antes de encontrarem uma solução de consenso.

Passa-se em revista a preciosa monografia da produção e uso da lã, do vocabulário local, da moagem, da culinária, das práticas agrícolas, da pequena e da grande história que fazem a história e a identidade do Corvo.
Muitos parabéns ao autor e um convite a todos que nos ouvem para a leitura do texto e contemplação das expressivas fotografias das ‘Memórias e tradições da ilha do Corvo’.

Bruxelas, 2018-08-02
Paulo Casaca

Continuar a Ler

+ Populares