Connect with us

Opinião

O VERÃO À SOLTA

Pedro Gomes

Publicado

|

PEDRO GOMES O VERÃO À SOLTA

 

O tempo de Verão está aí. Com ele, as conversas e as roupas tornam-se mais leves.

O mar chama por nós, mesmo para um mergulho ao final do dia. Quem vive em ilhas tem o privilégio de poder olhar o mar e decidir ir ao seu encontro. Muitas vezes, basta apenas atravessar a rua, em direcção ao azul infinito.

A imprensa, minguada de acontecimentos políticos, debate o Mundial de futebol, numa escalada de informação que terminará com o jogo final. Depois disso, surgem os temas leves – da moda às férias – para encher páginas ou minutos de informação, com uma outra actualidade que, no Inverno, não ocuparia a atenção dos editores.

O Verão não é apenas uma estação meteorológica: é um estado de alma.

O tempo de Verão deixa-nos mais descontraídos, mais soltos nas conversas e nos gestos. Os churrascos de Verão, os jantares de amigos, as festas que pontuam os calendários destes meses, fazem de nós seres mais sociáveis, menos contraídos.

As conversas prolongam-se nas noites cálidas, em que não corre uma aragem e as palavras resgatam o silêncio. Tornamo-nos como Xerazade: a história não tem fim, pois cada história sugere uma outra história que não nos cansamos de dizer e reinventar. Cada vez que contamos a história, ela torna-se diferente, com novos e sumptuosos detalhes que provocam comoção, um sorriso ou uma gargalhada aberta, daquelas que sabem a desejo.

O tempo anda mais depressa nas noites de Verão. Há uma sensação de velocidade que nos atinge. Tão depressa a noite está a começar, como já acabou, sem que o corpo dê por isso ou os sentidos se manifestem. As noites de Verão contrabalançam os relógios da vida, aqueles que registam as obrigações na agenda, os compromissos socias ou as rotinas que nos esmagam, nos transformam em robôs, fazendo-nos perder um pouco da nossa humanidade.

Nas cidades, já perdemos o hábito de olhar o céu, deslumbrados com as luzes artificiais que marcam os caminhos que podemos seguir.

Os dias límpidos de Verão convidam à descoberta do céu e da gramática das estrelas.

Faz bem à alma contar estrelas e sacudir a poeira dos dias até os garajaus anunciarem o regresso da alba, porque o “sol perguntou à lua quando havia amanhecer”.

Pedro Gomes
29JUN2018 – 105 FM

Nuno Melo

AINDA O SUBSÍDIO DE MOBILIDADE

Nuno Melo

Publicado

|

Por

NUNO MELO ALVES AINDA O SUBSÍDIO DE MOBILIDADE



Já se conhece uma proposta concretana Assembleia da República, apresentada pelo Parlamento da Madeira, e que contou com os votos favoráveis de todos os partidos menos o PS e o PAN, tendo assim sido aprovada. A medida aprovada preconiza que os residentes na Madeira apenas paguem a sua parte da passagem, sendo que o restante valor seja reembolsado directamente à companhia aérea a quem o cliente comprar a passagem.

Esta medida vem eliminar um dos grandes problemas do subsídio de mobilidade, pelo menos na óptica do destinatário daquele subsídio que é o passageiro residente nos arquipélagos dos Açores e Madeira. Esse problema era o das famílias terem que financiar o Estado até ao pedido de reembolso, sendo que os custos das passagens, por exemplo, de ida e volta da Terceira para Lisboa atingem, às vezes, os 750 euros. Actualmente e com esse preço, uma família, por exemplo, de 5 pessoas teria que emprestar ao Estado ou à companhia aérea a diferença desses 750 para os 134 finais: a módica quantia de 3.080 euros. Para pormos as coisas em perspectiva, uma passagem naquele trajecto custa,em várias ocasiões, mais que o salário mínimo regional.

As companhias aéreas estão a reclamar desta medida aprovada para a Madeira, ameaçando que deixarão de voar para lá. E a ANAC (a autoridade para a aviação civil em Portugal) considera que esta medida irá distorcer o mercado ao desincentivar os passageiros de procurarem a passagem mais barata.

Estas declarações da ANAC são enviesadas. Novamente recorrendo ao exemplo da ligação Terceira Lisboa a 750 euros, pode-se dizer que isso é o mercado a funcionar ou são as companhias a agirem no seu interesse? O mercado da concorrência tende a baixar os lucros às empresas e a aumentar a utilidade dos clientes, mas o que está a acontecer é que as companhias aéreas estão a defender apenas os seus interesses.

Desde logo, porque ao praticarem preços assim elevados é porque há procura de lugares, o que, em mercado livre e concorrencial aumentaria a oferta antes de aumentarem os preços; a não ser que as empresas não queiram aumentar a sua oferta de lugares. Mas poderiam fazê-lo de várias maneiras. Por exemplo, se a TAP fizer pernoitar na Terceira, ao fim de semana, o Airbus 320 em vez do Airbus 319, aumentaria logo os lugares disponíveis em 34 por dia, o que deveria baixar o preço e preencher esses lugares. Só que acontece o oposto: para as companhias aéreas é preferível limitarem os lugares disponíveis e aumentarem os preços, tudo isso com a bênção, pelos vistos, da ANAC.

Mais uma vez é preciso relembrar a essas pessoas que gerem a ANAC que o subsídio de mobilidade é a única forma de garantir a continuidade territorial do País e que esse tratamento desigual aos residentes nas ilhas é a única forma de assegurar a igualdade de direitos de cidadania.

As preocupações da ANAC e dos órgãos políticos deveriam centrar-se na continuidade territorial e não apenas na defesa dos interesses das companhias aéreas e das empresas que gerem os aeroportos.

A concorrência é útil e fundamental para melhorar as condições dos clientes. O facto das companhias aéreas estarem a construir uma operação com o único propósito de melhorar os seus lucros é esclarecedor quanto à falta de concorrência, pelo menos no caso dos Açores, aonde, para a maioria dos aeroportos com capacidade para ligações ao exterior, só voa uma ou duas companhias aéreas. Também não há possibilidade de haver concorrência entre os aeroportos, porque servem populações distintas e, mais grave, não têm as mesmas condições de operacionalidade (por exemplo, as Lajes ainda não são um aeroporto civil) para concorrerem entre si.

O subsídio de mobilidade é para eliminar a descontinuidade territorial e não para criar rendas às companhias aéreas ou empresas gestoras de aeroportos. É bom que os órgãos políticos não se esqueçam disso.

17/07/2018
Nuno Melo Alves

Continuar a Ler

Aníbal Pires

LEITURAS DE VERÃO– CORPO TRIPLICADO

Aníbal Pires

Publicado

|

ANÍBAL PIRES LEITURAS DE VERÃO– CORPO TRIPLICADO



Hoje proponho-lhe uma breve viagem por um livro. Neste curto roteiro mais do que as minhas ficarão as palavras de quem escreveu o “Corpo Triplicado”.

E nada como o primeiro texto para se perceber qual o caminho que poderá vir a percorrer se, porventura, vier a aventurar-se a ler este livro da Maria Brandão. Não é um livro para todas as almas, como poderá concluir ao fim da leitura que lhe vou fazer do curto texto que dá pelo título de “Sentido Único”.

Vamos lá então.

Sentido Único

Na minha casa não há roupa fora de uso, fotografias antigas, recordações de viagens, revistas desbotadas, recortes de jornais, bilhetes de amor, recibos de compras, artigos decorativos, vasinhos de plantas ou animais de estimação. Livro-me das coisas inúteis como me livro de amigos hipócritas e dos amantes incompetentes. Sem remorso e sem saudade.

Que me diz. Despontou-lhe uma pontinha de curiosidade ou, pelo contrário, acha que não vale a pena porque ninguém tem a casa assim, tão vazia. Repare,Só as inutilidades é que não são guardadas. Talvez a casa a que se refere a autora não esteja assim tão despojada como nos pode parecer à primeira vista.

Mas sim, Admito o texto tem um não sei quê de provocatório que em mim despertou um particular interesse, mas isso sou eu que navego contra ventos e marés. Percebo a sua perplexidade, mas espero ter-lhe despertado algum interesse pela leitura deste livro.

Espere mais um pouco. Não, não vou mudar de assunto, vou ler um outro texto do “Corpo Triplicado”. A Maria Brandão chama-lhe “Manual de Sobrevivência Social”, ouça com atenção e depois vamos de fim de semana que o tempo promete céu com boas abertas e uma ligeira subida da temperatura.

Manual de Sobrevivência Social

Um olhar directo, uma voz firme e uma atitude imperturbável são ingredientes quanto baste para conquistar um estado de impenetrabilidade. Ninguém se atreve a contradizer-te sem ficar nervoso. Afogueado ou hesitante. Ninguém te pede ajuda para tarefas que não te dizem respeito. Ninguém te convida a participar em cafezinhos, almoços, lanches e jantares de grupo. Ninguém te desafia para uma volta de bicicleta, torneio de paintball ou passeata ambiental ao sábado de manhã. Ninguém te pede dinheiro para ofertas de aniversário, rifas estudantis ou associações de protecção de animais. Ninguém te propõe apostas conjuntas no euromilhões e na lotaria de Natal. Ninguém repara, quando vais de férias e ficas doente. Ninguém te faz perguntas para lá das estritamente profissionais ou necessárias. Também funciona com vizinhos bisbilhoteiros,missionários insistentes, senhores sentados na cadeira ao lado no avião, machos latinos de vocabulário limitado, garanhões em fim de carreira e todos os chatos em geral.

A sua curiosidade aumentou ou esta abordagem é-lhe indiferente. Seja como for se puder leia. Garanto que se vai surpreender a cada texto. Não lhe estou a dizer que se vai maravilhar, como lhe disse logo no início este não é um livro para todas as almas. Mas tenho cá para mim que a leitura do “Corpo Triplicado” da Maria Brandão não lhe será indiferente.

Fique bem.
Eu voltarei, assim o espero, no próximo sábado

Aníbal C. Pires, Ponta Delgada, 14 de Julho de 2018

Continuar a Ler

Opinião

AMIGOS EXTRAVAGANTES

Pedro Gomes

Publicado

|

PEDRO GOMES AMIGOS EXTRAVAGANTES

 

Vinte e dois Deputados da Assembleia da República assinam um manifesto público, no qual pedem ao Supremo Tribunal Federal do Brasil a libertação imediata de Lula da Silva.

Os Deputados do PS, Bloco de Esquerda, PCP e Verdes pedem a este tribunal superior que “reponha as condições mínimas aceitáveis de funcionamento do Estado de Direito”, considerando que Lula da Silva é um preso político.

Não me perturba que estes Deputados possam fazer os apelos públicos que entenderem enquanto cidadãos, mas incomoda-me que escrevam um manifesto destes, utilizando a sua função política de Deputados e de titulares dum órgão de soberania.

O manifesto é um libelo político a favor da libertação do antigo Presidente do Brasil, Lula da Silva, assumindo que o seu processo judicial foi um processo político e que Lula é um preso político.

Do caso Lula da Silva apenas conheço o que a imprensa publicou, o que é insuficiente para fazer um juízo sereno sobre um complexo processo.

Presumo que nenhum dos Deputados subscritores do manifesto – de António Filipe a Isabel Moreira – tenham lido os milhares de páginas do processo, para poderem concluir sobre a ilegitimidade do processo judicial que condenou Lula da Silva. Os senhores Deputados manifestam-se num tom ligeiro, impróprio para titulares dum órgão de soberania.

Os Deputados subscritores deste manifesto passam ao lado do facto do processo de Lula da Silva ter sido objecto de vários recursos, interpostos em vários momentos processuais e decididos por diferentes juízes. Será crível que todo o sistema judiciário brasileiro tenha conspirado para condenar o antigo Presidente?

Mas, para além disto, ainda há um outro aspecto a considerar: os titulares dum órgão de soberania de Portugal – alguns deles ocupando relevantes cargos parlamentares, como é o caso de José Manuel Pureza, que é Vice-Presidente da Assembleia da República – criticam de modo politicamente violento uma decisão judicial de outro país, que é uma democracia de tipo ocidental, criando uma perturbação nas relações diplomáticas entre Portugal e o Brasil.

Os Deputados portugueses decidiram puxar dos galões e dar lições sobre a aplicação da justiça, reiterando a natureza de preso político de Lula da Silva, num exercício de ligeireza institucional, que já vimos acontecer em Portugal em relação a outros processos judicias, também designados como “processos políticos”.

Lembrando o princípio clássico, podemos dizer: em política, o que parece é.

Pedro Gomes
13JUL2018 – 105 FM

Continuar a Ler

+ Populares