Connect with us

Opinião

PASSIVO AMBIENTAL : O FILHO BASTARDO DO TRUMP

Pedro Neves

Publicado

|

PEDRO NEVES PASSIVO AMBIENTAL : O FILHO BASTARDO DO TRUMP

 

Caros ouvintes, na realidade só sabemos quem é mesmo a mãe da criança, tanto pela certeza biológica como pela forma afectiva que criou este ser durante todos estes anos.

A incerteza da mãe sobre a paternidade do seu filho não provém da sua promiscuidade obviamente, mas sim devido a eventualidades de uma vida atribulada que, durante anos, não viu como importância fulcral saber quem era o pai da criança.

A mãe, de nome Base das Lajes, mulher voluptuosa apetecível por todos, adorava receber os carinhos e gabos de vários senhores feudais, onde o Sr. Estados Unidos de América se destacava, seguido pelo Sr. Governo Regional e mesmo o Sr. Governo da República, este último mais distante porque namoriscava com várias ao mesmo tempo.

Mas todos e sem excepção, logo que souberam que a Base das Lajes estava à espera de um filho, desapareceram tão rapidamente, que a mãe, habituada a tantos carinhos destes homens durante tantos anos , sentiu-se sozinha e desamparada, ainda mais com um petiz nos seus braços.

Mas como mulher de coragem, agarrou na sua determinação e esperança e foi registar de imediato o seu filhote, porque, mesmo com pai incógnito, qualquer criança precisa de um nome para ser gente. Ela deu o nome ao seu filho, chamou-o de Passivo ambiental.

De seguida a mãe Base das Lajes arregaçou as mangas e foi atrás dos supostos pais, porque na obrigação parental, a pensão de alimentos era devida e nunca tinha sido paga, o qual demonstrava tamanho desprezo dos supostos pais pela criança gerada.

Devido à falta de emprego da mãe, o menino Passivo Ambiental carece de dinheiro para ultrapassar uma doença rara que contraiu com o tempo, devido à sua desnutrição. Foi diagnosticado com o síndrome de descontaminação da Terceira, contraído por hidrocarbonetos e de metais pesados, e a falência dos seus órgãos é iminente, alguns dizem que foi uma inevitabilidade por falta de compromisso e hombridade dos pais.

Esta sátira, da busca de uma mãe em tentar responsabilizar o pai da criança ainda não tem um final feliz, mas considerando que será apresentado na próxima sexta-feira um projecto de resolução do PAN, para que seja desenvolvido os esforços necessários para garantir que todos os locais contaminados na Ilha Terceira, e restantes que sejam identificados, sejam objecto de célere eefectiva descontaminação, então acreditamos solenemente que a alienação parental seja um problema do passado.

Paulo Casaca

A BANCA E A CONCORRÊNCIA

Paulo Casaca

Publicado

|

PAULO CASACA DA BANCA E A CONCORRÊNCIA

 

Informa-nos a ‘Autoridade da Concorrência’, em comunicado datado de 9 de Setembro, da condenação de 14 bancos ao pagamento de uma multa global de 225 milhões de euros pela constituição de um cartel de crédito por mais de dez anos até 2013.

O cartel, que incluiu bancos estrangeiros como o ‘Deutsche Bank’; bancos públicos como a Caixa Geral de Depósitos e quase toda a banca privada incluindo pérolas da nossa banca como o BPN ou o Banco Popular mas sem esquecer instituições supostamente mais participadas pelo cidadão como o Montepio, ou o Crédito Agrícola, extorquiu assim somas avultadas aos cidadãos que compraram a sua casa a crédito ou a empresas que investiram, somas que naturalmente acrescem aos milhares de milhões de dívida que endossaram aos contribuintes.

A falta de escrúpulos necessária a uma prática que necessariamente envolveu inúmeros administradores de tantas instituições ao longo de tanto tempo justifica inteiramente a generalizada desconfiança do cidadão perante o sistema financeiro. Manda a verdade dizer, contudo, sem prejuízo de saber se a multa vai ser paga, que o facto de uma autoridade cuja nomeação depende do poder político ter ousado desmascarar a mega fraude de um cartel bancário é um sinal de que algo funciona no nosso sistema político.

Como noutras situações, creio que poderemos sempre dizer que o copo está mais cheio ou mais vazio; perguntarmo-nos como é possível que outras instituições responsáveis pela supervisão bancária – como por exemplo o Banco de Portugal – não tenham reparado num embuste tão gigante como este; como é possível que tantos governantes que se transformaram em banqueiros, estivessem num momento a defender o interesse do povo e no seguinte, a roubar esse mesmo povo; como é possível que a justiça seja tão lesta e draconiana a punir quem se atrasa a pagar uma prestação bancária e leve tanto tempo a dar-se conta destes crimes milionários.

Mas teremos também de confirmar que apesar de tudo há instituições que parecem empenhadas em fazer o que lhes compete enfrentando os interesses instalados, e que por cima das dificuldades, dos obstáculos, dos silêncios, algo vai mudando em Portugal.

Tudo isto confirma que precisamos de uma revolução quotidiana, feita de pequenos passos que todos juntos nos levam a algo que por vezes só a custo entendemos ser diferente, sem ter a ânsia de tudo querer ver mudar num instante.

Bruxelas, 2019-09-11
Paulo Casaca

Continuar a Ler

Paulo Casaca

DEVE PORTUGAL PREMIAR A EXTORSÃO INFORMÁTICA?

Paulo Casaca

Publicado

|

PAULO CASACA DEVE PORTUGAL PREMIAR A EXTORSÃO INFORMÁTICA?

 

Portugal tem uma legislação relativa a segredo bancário e fiscal próxima do que é comum encontrar em países que são abrigos fiscais, embora tenha uma pesada fiscalidade em contraste com esses países.

O resultado deste estado de coisas é a de uma fuga fiscal generalizada por parte das entidades com dimensão para o fazer, com as maiores empresas portuguesas a registar-se nos Países Baixos, volumes impressionantes de transferências para abrigos fiscais, não cumprimento da lei fiscal e, confirmou agora o Tribunal da Relação de Lisboa, o desenvolvimento de uma actividade informática de extorsão sobre quem foge aos impostos.

A esquizofrenia fiscal portuguesa é assim responsável não só por uma flagrante injustiça fiscal e por facilitar más práticas económicas e financeiras mas também pela eclosão do crime de extorsão.

Este seria naturalmente um excelente tema a debater na campanha eleitoral que se inicia, com propostas realistas, sérias e equilibradas, mas no cenário político que temos, marcado por algumas causas ditas fracturantes e pela quase-unanimidade programática (se tivermos em conta a declarada adesão do Bloco de Esquerda à social-democracia e o facto de a democracia social do CDS ser uma mera troca dos termos da social-democracia, o nosso universo parlamentar é esmagadoramente social-democrata) nada disto vai obviamente acontecer.

Em contrapartida, o que temos é a glorificação da extorsão, agora de forma assumida com o argumento de que é assim que se faz frente ao crime.

Não, não só não é assim que se faz frente ao crime, mas como é mesmo assim que se caminha para a implosão do Estado de Direito. Se o chantagista não só é legitimado, mas como é falsamente apelidado de lançador de alertas e premiado, ficamos com algo substancialmente pior do que aquilo que já temos, ficaremos com um Estado mafioso, em que tudo ou nada é permitido conforme as conveniências de quem tem o poder.

Pela primeira vez, vimos aqui a justiça a deliberar em prazo razoável com argumentos fortes sobre a pertinência de uma previsão preventiva, rejeitando simultaneamente o inaceitável expediente da complexidade da investigação para legitimar a kafkiana ausência de acusação.

Certamente muito menos do que aquilo que necessitamos mas, não menos certamente, mais do que vemos em países de regime totalitário como é o caso da República Islâmica do Irão.

Bruxelas, 2019-09-04
Paulo Casaca

Continuar a Ler

Natércia Gaspar

O IMPACTO DO BREXIT PARA OS PORTUGUESES RESIDENTES NO REINO UNIDO

Natércia Gaspar

Publicado

|

NATÉRCIA REIS GASPAR O IMPACTO DO BREXIT PARA OS PORTUGUESES RESIDENTES NO REINO UNIDO

 

A saída do Reino Unido da União Europeia (UE) é apelidada de Brexit, palavra que resulta da junção das palavras British e exit.

Se agora parece um facto consumado, a saída do Reino Unido da União Europeia, com acordo ou sem acordo, a verdade é que desde 1973, ano que o Reino Unido aderiu à Comunidade Económica Europeia CEE, há, grupos de interesse e partidos políticos, que não concordaram e desde sempre ambicionaram a saída da União Europeia.
Em 1975 aconteceu um primeiro referendo à saída tendo, os britânicos, nessa altura, votado a permanência. Já em 2016, ano de novo referendo o resultado foi inverso e os apologistas da saída do Reino Unido da União Europeia venceram.

Os defensores da saída entendem que o Reino Unido perde soberania estando submetido às regras do bloco económico, com poucas compensações, mas na verdade o que está em causa são as correntes populistas que assolam a europa com um discurso contra a imigração ao mesmo tempo que veiculam o medo entre o eleitorado, já os que estão contra acreditam que a aliança com os restantes países europeus torna o Reino Unido mais poderoso.

Sendo certo que de acordo com artigo 50 do Tratado da União Europeia, “Qualquer Estado-Membro pode decidir, em conformidade com as respetivas normas constitucionais, retirar-se da União.”, das quais faz parte um acordo, que não foi aprovado pelo parlamento Britânico e agora com Boris Johnson, na liderança do governo tudo indica que o Reino Unido vai sair sem acordo o que vai ter consequências negativas quer para Reino Unido, quer para os restantes países europeus bem como dos imigrantes destes países que vivem em Inglaterra.

Mas como com o mal dos outros podemos bem, falemos das consequências do BREXIT para os portugueses lá residentes.

A semana passada fomos confrontados com o desespero de uma portuguesa a viver no Reino Unido que interrompeu uma entrevista de rua da SKY News, sobre o Brexit a uma cidadã inglesa.

“Dei a minha juventude ao Reino Unido… Estou muito grata por aquilo que me ensinaram, mas devia ser integrada em todo este processo. Não posso simplesmente ser chutada daqui para fora. Eu construí coisas para vocês, tomei conta dos vossos filhos e tratei dos idosos deste país. Agora expulsam-me com o quê? Com o quê? Sinto-me muito magoada com o que fizeram com Inglaterra. Eu vim para aqui e juntei-me à força de trabalho e estou muito orgulhosa… Tu tens uma voz, mas eu sou portuguesa e trabalhei aqui durante 20 anos e não tenho voz…O processo de pedido de residência não está a funcionar. Protesto porque eu preciso de uma voz. Trabalhei e dei a minha juventude a este país” foi o desabafo da imigrante que trabalha no Reino Unido acerca de 20 anos, mas que agora, que a saída do país da União Europeia, se aproxima, vê o seu processo de regularização dificultado.

Será esta a realidade de cerca de 300 000 portugueses, perfeitamente integrados no sistema social e fiscal do país e pior ainda, para os 600 000 a trabalharem às margens das normas do trabalho sem descontos para a Segurança Social ou pagamento de impostos.

Vivenciam a incerteza do futuro, sentem o custo de vida a aumentar, começam a ver a sua condição de imigrantes questionada pelos locais, os sentimentos xenófobos e racistas estão a vir ao de cima, alegadamente alguns britânicos tomaram o Brexit como incentivo a atividade violenta contra as minorias.

Quem trabalha nos serviços públicos vive o receio que essas entidades não queiram pagar as 65 libras a que estão obrigadas por cada trabalhador oriundo de países da União Europeia, sobretudo no sector da Saúde, onde existem muitos portugueses a trabalhar, têm noção que tem depois do Brexit, de obter documentação para assegurar os mesmos direitos que tem atualmente, designadamente a autorização de residência permanente, disponível para quem vive pelo menos há cinco anos no Reino Unido.

Os que imigraram há pouco tempo já regressaram a Portugal e para quem está há muito tempo, regressar, não está fora da equação.

Fique bem!
Fique com a 105 FM

Natércia Reis Gaspar

Continuar a Ler

+ Populares